sexta-feira, 16 de setembro de 2016

NA FEIRA DO LIVRO DO PORTO




Mais uma excelente sessão de autógrafos, desta vez na Feira do Livro do Porto, nos jardins do Palácio de Cristal no Espaço da Chiado Editora. Um abraço a todos os meus leitores.











 


Excelente. Obrigado a todos. Editora e leitores. Um abraço.

MF


segunda-feira, 5 de setembro de 2016

A CASA DA BOAVISTA, CLUBE CHIADO EDITORA NO PORTO



É fantástico ver o meu primeiro livro de Crónicas nas estantes (e no cartaz) da "Casa da Boavista" da Chiado Clube - Editora. Um espaço único, de requinte, singular, intemporal, onde coexistem espaço e tempo a um ritmo próprio. Um local cheio de memórias, cheiros, sensações! Um espaço de excelência na Av.ª da Boavista no Porto. Os meus parabéns ao caríssimo Luís Pires pela aposta neste espaço de excelência e pela qualidade dos eventos. O Porto merece. Não deixe de visitar.

MF


domingo, 4 de setembro de 2016

PALMA & GODINHO NA NOITE BRANCA DE BRAGA


Noite branca de Braga com milhares de pessoas a encher todas as ruas da zona histórica. Tive o prazer de assistir ao "Juntos" de Jorge Palma com Sérgio Godinho.

Foi um espetáculo magnifico e memorável.




MF

terça-feira, 30 de agosto de 2016

À CONVERSA COM JORGE CARDOSO PRESIDENTE DO CSJUM



JORGE CARDOSO, PRESIDENTE DO CENTRO SOCIAL DA JUVENTUDE UNIDA DE MARINHAS

“…Estive na Câmara Municipal de Esposende como vereador durante três mandatos, ou seja, cerca de doze anos. O primeiro mandato foi uma novidade absoluta, integrando uma equipa já experiente. O segundo foi a consolidação, numa lógica de complementaridade nas ações, contribuindo para a concretização de um projeto autárquico. O terceiro e último foi muito agradável pelo prazer de servir. Tenho belas recordações desse período da minha vida. Trabalhei com pessoas fantásticas que, não raras vezes, são incompreendidas...

...A nossa maior necessidade passa pela renovação da cobertura das instalações e pela adaptação de uma sala para o Centro de Dia. Isto em termos físicos. Porém, o nosso maior projeto é sermos uma instituição de referência no serviço prestado, tanto na Creche como no Centro Dia. Queremos ter uma unidade especializada nos cuidados aos portadores da doença de Alzheimer...

… Gostava de poder corresponder às inúmeras solicitações que me fazem no sentido de construir uma estrutura residencial para idosos, mas com um carater que fosse muito familiar e com preocupações sociais. Uma unidade especializada nos cuidados aos portadores da doença de Alzheimer é algo que desejo para breve...

…O meu sonho era ver a concretização do arranjo urbanístico envolvente a este Centro Social, onde fosse incluída a construção de um parque de estacionamento adjacente às nossas instalações.”

Jorge Alves Cardoso nasceu a 3 de março do ano de 1970 na freguesia de Marinhas, onde reside. Professor de Educação Moral e Religiosa Católica, é casado com Maria de Fátima Cardoso, também professora. Tem 3 filhos. O André, a Catarina e o João.
Frequentou a escola do Ensino Básico em Marinhas de onde seguiu para o Seminário de Braga. Primeiro no Seminário Menor, depois no Maior, onde fez o ensino Secundário. Licenciou-se em Teologia na Faculdade de Teologia de Braga e tem uma Pós-Gradução em Pastoral Catequética, obtida no Instituto Católico de Paris.

A ORIGEM DA “JUVENTUDE UNIDA DE MARINHAS”
Nascido de um sonho de um grupo de jovens marinhenses, a Juventude Unida de Marinhas – Associação Cultural Desportiva e Recreativa de Marinhas, com investidas e ações que remontam a 1976, foi constituída, por escritura pública, a 16 de fevereiro de 1982. Tinha como objetivo principal contribuir para a promoção social, cultural, desportiva e recreativa da freguesia de Marinhas, bem como criar ocupação para os tempos livres da mesma população. Apoiada numa dinâmica muito própria, inspirada na sua jovialidade e ousadia, esta associação abraçou o trabalho na área social como uma das suas prioridades. E, assim, no ano seguinte, a 30 de setembro de 1983, a associação passou a denominar-se Centro Social da Juventude Unida de Marinhas «CSJUM». A insígnia do Centro Social da Juventude Unida de Marinhas é constituída por três círculos concêntricos, sendo que o círculo central simboliza a congregação de esforços num objetivo comum, o círculo exterior define o nome da associação

Vamos conhecer melhor o meu amigo Jorge Cardoso. Os seus gostos, a sua formação, o seu percurso e a instituição de que tanto gosta, o Centro Social da Juventude Unida de Marinhas.

QUAL É SEU O CLUBE DO SEU CORAÇÃO?
É o Benfica.

DE QUE DESPORTOS GOSTA MAIS?
De todo o desporto em geral mas, fundamentalmente, de futebol. Aprecio, também, o ciclismo.

O QUE É QUE FAZ NOS SEUS TEMPOS LIVRES?
Verdadeiramente nos meus tempos livres trabalho a favor da comunidade, seja na paróquia, seja no associativismo. Mas também gosto de assistir a documentários e ver séries televisivas. O desporto já me ocupou mais do que acontece hoje.

E HOBBYS?
Ler bons livros. Acabei de ler “A Saga de um Pensador” de Augusto Curry”. Um livro que recomendo. Atualmente estou a ler, do mesmo autor, “A ditadura da Beleza”.

UM LEMA PARA A VIDA?
Ser feliz, fazendo os outros felizes.

O POLÍTICO
DOIS MANDATOS COMO VEREADOR E DEPOIS OUTRO COMO VICE-PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE ESPOSENDE. COMO FOI ESSA EXPERIÊNCIA?
Estive na Câmara Municipal de Esposende como vereador durante três mandatos, ou seja, cerca de doze anos. O primeiro mandato foi uma novidade absoluta, integrando uma equipa já experiente. O segundo foi a consolidação, numa lógica de complementaridade nas ações, contribuindo para a concretização de um projeto autárquico. O terceiro e último foi muito agradável pelo prazer de servir. Tenho belas recordações desse período da minha vida. Trabalhei com pessoas fantásticas que, não raras vezes, são incompreendidas.

E HOJE, COMO VÊ O CONCELHO DE ESPOSENDE?
Tenho muito orgulho no meu concelho. É um verdadeiro privilégio da natureza, onde dá gosto viver. Respira-se qualidade de vida. No entanto, julgo ser necessário esbater algumas assimetrias existentes entre as freguesias.

O QUE ACHA QUE NOS FALTA?
Está a faltar alguma congregação de esforços na relação entre o tecido empresarial e os decisores das grandes opções estratégicas do concelho. A vertente turística é, sem dúvida, fundamental, mas não podemos esquecer a economia social, os agricultores e o movimento associativo de ordem cultural e desportiva.

E A FREGUESIA DE MARINHAS?
É uma comunidade dinâmica, com um movimento associativo forte. Eminentemente urbana, mantém a sua singularidade rural.

E AO NÍVEL DA POLÍTICA NACIONAL?
Acho que ainda temos um longo caminho de dificuldades. Infelizmente vamos continuar a ter uma grande dose de austeridade. Tem sido difícil encontrar pessoas que assumam a nobreza do governar a “Polis” como um serviço. Continuamos com muita gente a querer servir-se...

SOBRE OS RECENTES ATENTADOS A NÍVEL MUNDIAL, MUITOS DELES AQUI NA EUROPA?
Existe um défice de humanidade. Para evitarmos estes atentados é necessário que o ser humano reconheça o homem enquanto tal e descubra a riqueza que existe nas diferenças, sejam elas de ordem cultural, religiosa ou artística.

E SOBRE OS REFUGIADOS?
Acho que devemos recebê-los, enquanto seres humanos em busca da felicidade.

E OS INCÊNDIOS QUE NOS TEM FUSTIGADO?
São crimes de lesa-pátria. Resultam essencialmente da falta de civismo e de mão criminosa. Acho que deve haver uma aposta nas equipas de sapadores florestais e na prevenção. Ainda não aprendemos a respeitar a nossa “casa comum”, o planeta terra.

CENTRO SOCIAL DA JUVENTUDE UNIDAD DE MARINHAS

SEDE / INSTALAÇÕES
Centro Social da Juventude de Marinhas. Rua da Várzea, nº15 - Marinhas

CARATERIZAÇÃO / OBJETIVOS
Somos uma associação que opta, na sua intervenção/acção pelo respeito dos valores sociais, culturais e religiosos: Que permitem a construção progressiva do homem integral como pessoa livre e responsável; Que leve cada um a reconhecer o outro e a ser solidário com ele; Onde cada um se sinta estimulado, participante e comprometido numa mesma missão; Onde tentamos fazer da vida um acontecimento maravilhoso que deve ser experimentado com alegria; Onde cada um sinta em todos os momentos que é um ser humano.

QUANDO FOI FUNDADA A ASSOCIAÇÃO?
A JUM, enquanto associação juvenil vem de 1976. No seu início as principais atividades foram o atletismo e o teatro. A componente Social surge em 1989.

COMO SÃO CONSTITUIDOS OS ORGÃOS SOCIAIS?
Corpos Sociais da CSJUM (quadriénio 2015/2018)
Mesa da Assembleia Geral
Presidente: Avelino Marques Peres Filipe
Secretário: Francisco Eiras Novo Rodrigues
Segundo Secretário: António de Sá Ribeiro
Conselho Fiscal
Presidente: Manuel Joaquim Marques Peres Filipe
Primeiro Vogal: Anabela Cunha Patrão
Segundo Vogal: Manuel Fernando Carqueijó Capitão
Direção
Presidente: Jorge Alves Cardoso
Vice-Presidente: José do Pilar Patrão
Tesoureiro: Abílio da Silva Lemos
Segundo-tesoureiro: António Alexandre Ferreira Laranjeira
Secretário: Luzia Morgado Domingues Cavalheiro
Segundo Secretário: Ana Cristina Lemos Ferreira
Vogal: Mário Abreu da Cruz
Vogal: Pedro Miguel Simões Pinto Carneiro
Vogal: Maria Manuela da Silva Ferreira Ribeiro

ONDE FORAM AS PRIMEIRAS INSTALAÇÕES DESTE CENTRO SOCIAL?
Não sei responder com exatidão a essa questão. Mas, certamente, terão sido em instalações ligadas à paróquia.

AS ATUAIS INSTALAÇÕES (SEDE E DEMAIS ESPAÇOS) SÃO DA PRÓPRIA ASSOCIAÇÃO?
São todas da Instituição.

QUANTOS ASSOCIADOS TEM?
Temos cerca de 270 associados.

SÃO TODOS PAGANTES?
Seria bom... No entanto, teremos cerca de um terço com as cotas em dia. Mas devo dizer que as cotas dos associados não têm qualquer expressão no orçamento da Instituição.

QUAIS SÃO AS ATUAIS VALÊNCIAS E QUAL É O NÚMERO DE UTENTES EM CADA UMA DELAS?
Creche: 60; Pré-Escolar: 25; ATL 1º Ciclo: 42; ATL 2º Ciclo: 18; Centro de Dia: 35; AAAF: 30. A Instituição é ainda responsável por confecionar as refeições para as escolas e Jardins de infância das Marinhas. Digamos que servimos cerca de 200 pessoas diariamente.

PARA ALÉM DESTAS VALÊNCIAS HÁ AINDA UM CONJUNTO SIGNIFICATIVO DE ATIVIDADES QUE DESENVOLVEM. FALE-ME DELAS.
Temos apoio ao estudo aos alunos do 1º e 2º ciclo, complementado por um serviço informal de explicações para todos os níveis de ensino. Na parte lúdico-cultural, queremos que as instalações estejam ao serviço da comunidade. E assim, temos Karaté, Aeróbica e Zumba. A partir de setembro, tudo indica, teremos um grupo de IOGA.

E O RANCHO DAS MOLEIRINHAS DE MARINHAS TAMBÉM PERTENCE À ASSOCIAÇÃO?
É verdade. É mais uma componente que nos orgulhamos de ter. O Rancho pertence à Associação mas tem uma direção própria a quem cabe toda a organização e toda a gestão. É um grupo com pergaminhos que leva longe o nome de Marinhas e do próprio concelho de Esposende. Sentimos orgulho no trabalho que vem sendo desenvolvido, e aqui deixo um agradecimento ao seu principal dinamizador e diretor, Horácio Patrão.

QUANTOS COLABORADORES TRABALHAM ATUALMENTE?
Temos vinte e nove colaboradores e cerca de uma dezena de voluntários. Aliás, muito gostaríamos que mais voluntários quisessem colaborar...

E A FROTA AUTOMÓVEL?
1 autocarro; 1 carrinha de 16 lugares; 2 carrinhas de 9 lugares e uma outra viatura de apoio.

UMA ASSOCIAÇÃO COM UMA APOSTA MUITO CLARA NA AÇÃO SOCIAL MAS TAMBÉM NA VERTENTE DESPORTIVA

QUAIS SÃO OS VOSSOS PRÓXIMOS PROJETOS?
A nossa maior necessidade passa pela renovação da cobertura das instalações e pela adaptação de uma sala para o Centro de Dia. Isto em termos físicos.
Porém, o nosso maior projeto é sermos uma instituição de referência no serviço prestado, tanto na Creche como no Centro Dia. Queremos ter uma unidade especializada nos cuidados aos portadores da doença de Alzheimer.

O CICLISMO E O BTT SÃO UMA DAS VOSSAS APOSTAS DESTINADAS AOS JOVENS
Temos uma Equipa de BTT que contribui para a divulgação da modalidade e que também tem prestado grande apoio social. Esta equipa está a cargo do Mário Cruz.

E QUANTO A DISTINÇÕES E LOUVORES, O QUE HÁ?
Recebemos a Medalha de Mérito Municipal da Câmara Municipal de Esposende, em 2007, na celebração dos 25 anos da fundação.

EM QUE VALOR SE SITUA O VOSSO ORÇAMENTO ANUAL?
Cerca de 600.000,00€ por ano.

DE ONDE PROVÊM AS VOSSAS PRINCIPAIS RECEITAS?
Protocolos com a Segurança Social, com a Câmara e das mensalidades.

SENHOR PRESIDENTE, UM DESEJO?
Gostava de poder corresponder às inúmeras solicitações que me fazem no sentido de construir uma estrutura residencial para idosos, mas com um caracter que fosse muito familiar e com preocupações sociais. Uma unidade especializada nos cuidados aos portadores da doença de Alzheimer é algo que desejo para breve.

E UM SONHO?
A concretização do arranjo urbanístico envolvente a este Centro Social, onde fosse incluída a construção de um parque de estacionamento adjacente às nossas instalações.

O QUE É QUE ACHA DESTE JORNAL?
É muito positivo. Está a noticiar o que se passa no concelho.

E DESTAS ENTREVISTAS, QUE JÁ ME DISSE QUE ACOMPANHA?
Gosto. Dão a conhecer pessoas e instituições. Falam da nossa cultura, das nossas raízes e das nossas gentes. Parabéns pelo trabalho desenvolvido.

NOTA FINAL
Conheço o meu caro e bom amigo, Dr. Jorge Cardoso há muitos anos. Um homem sempre muito ativo na comunidade, tanto na paróquia, como na política ou nas associações.
Foi Vereador e Vice-Presidente da Câmara, com quem trabalhei oito dos doze anos em que presidi à Junta de Freguesia de Curvos e o relacionamento foi sempre excelente.
Na Câmara, sei que teve uma ação determinante na aquisição dos terrenos para a construção, quer do Campo de Futebol, quer da própria Escola EB 2/3, hoje pertencente ao Agrupamento de Escolas Rodrigues Faria.
Católico praticante, um homem de fé, muito dedicado à vida da paróquia. Só não foi padre, contou-me ele, porque apenas lhe faltando a ordenação, teve que escolher entre a consagração à Igreja e o conceito de família. Optou por constituir família, sem deixar de prestar serviço à Igreja, sentindo-se realizado. Como se vê um homem que toca muitos instrumentos e que trabalha por gosto.
Agradeço muito a forma como me recebeu no Centro Social, a visita guiada que me fez e a deferência com que sempre me tratou. Gostei de conhecer um pouco melhor toda a história e a dinâmica desta casa, a quem desejo os maiores sucessos, assim como a concretização de todos os sonhos dos seus dirigentes.

Um abraço, forte.
Mário Fernandes.
13-08-2016





domingo, 28 de agosto de 2016

BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE ESPOSENDE NA FEIRA MEDIEVAL


Os Bombeiros Voluntários de Esposende marcaram presença, mas uma vez, na Feira Medieval de Esposende, com um stand.











As minhas felicitações aos nossos Bombeiros pelo serviço que prestam à comunidade, pela coragem, pela entrega e pelo altruísmo.

MF

sexta-feira, 26 de agosto de 2016

ABERTURA DA FEIRA MEDIEVAL DE ESPOSENDE


ABERTURA DA VI FEIRA MEDIEVAL DE ESPOSENDE

Uma organização da ACICE, com o apoio da Câmara Municipal de Esposende e dos empresários e comerciantes.

Um convite a reviver o espírito medieval, com cerca de nove dezenas de expositores.

A maior parte dos comerciantes da cidade de Esposende aderiram e estão a participar neste evento que à semelhança das anteriores edições deve trazer até Esposende milhares de forasteiros.










Vale a pena visitar.

MF


segunda-feira, 22 de agosto de 2016

À CONVERSA COM MANUEL LOSA ESPECIALISTA EM PROTEÇÃO CIVIL





MANUEL LOSA EX. COORDENADOR DA PROTEÇÃO CIVIL MUNICIPAL E ENTUSIASTA DAS FESTAS DA CIDADE DE ESPOSENDE

“…É preciso mudar de atitudes, mentalidades e comportamentos das pessoas, logo proceder a uma informação e formação das pessoas através da sensibilização para os riscos e perigos…

A prevenção faz-se por precaução, não para que aconteçam as coisas, mas para se acontecer algum incidente o socorro seja imediato...

A minha satisfação aquando do conhecimento da intenção de se investir na prevenção de cheias e inundações em Esposende. Houve reconhecimento do Poder Central face aos acontecimentos verificados em 22 de outubro de 2013, para o risco de inundações. É uma forma de fazer “mea culpa” pelos erros negligenciados aquando da construção do IC1/A28 ao ignorarem as consequências dos desvios das águas com a construção da estrada. No entanto, fiquei algo apreensivo ao ver tantos “milhões” anunciados para a concretização do projeto e quando “a esmola é grande o santo desconfia...

…Ainda hoje, a noitada do dia 14 de agosto é considerada o ponto alto do programa profano, com o despique das bandas de música e a finalizar um belo e estrondoso piromusical.”

Manuel Neiva Losa tem 64 anos de idade é casado e tem 3 filhos. É natural de Marinhas e residente em Esposende desde 1976. Cumpriu o serviço militar em Moçambique, com o posto de Alferes Miliciano GE (Grupos Especiais) na província de Tete, Mutarara e Necungas e na Beira, no Dondo, de 08 de março de 1973 a 19 de janeiro de 1975. Licenciado em Administração Pública, Regional e Local, Pós-Graduado em Gestão de Serviços de Saúde, em Bioética e em Gestão de Proteção e Socorro e Mestrado em Prevenção de Riscos. Curso de Técnico Superior de Segurança do Trabalho.

Habilitações Profissionais
Certificado de Aptidão Profissional/Formador; Formador nas áreas de Gestão da Qualidade em Saúde – Organização da Mudança e “Moniquor”- (qualidade dos serviços de saúde). Mais de 400 horas de formação nas áreas da Saúde e Proteção Civil. Exerceu a sua atividade profissional ao longo de 36 anos: Centro de Saúde de Esposende e Barcelos – 20 anos; Centro Regional Segurança Social do Porto e Braga – 4 anos; Sub-Região de Saúde de Braga/Administração Regional de Saúde do Norte – 6 anos; Câmara Municipal de Esposende – Técnico Superior - Coordenador do Serviço de Segurança e Proteção Civil – 6 anos e 4 meses (em Mobilidade Interna). Técnico -Superior da Administração Regional de Saúde do Norte – de 6 de janeiro a 30 de Março de 2015 (regressou ao serviço de origem após o término da Mobilidade Interna na Câmara). Recebeu um louvor da Câmara Municipal de Esposende-2015, Recebeu um louvor da Administração Regional de Saúde do Norte-2015.

E atualmente o que é que faz?
Sou aposentado da função pública desde 01 de Abril de 2015. Exerço a atividade de Técnico Superior de Segurança do Trabalho, em regime liberal, como prestador de serviços.

Manuel Losa foi Técnico Superior da Administração Regional de Saúde do Norte. Em agosto de 2008 foi requisitado (mobilidade especial) para a Câmara Municipal de Esposende para o serviço da Proteção Civil, tendo terminado o contrato em 31 de dezembro de 2014. Descreva, sucintamente, quais as funções ou tarefas desempenhadas durante esse período?
Durante 6 anos e 4 meses exerci a atividade como Coordenador do Serviço Municipal de Segurança e Proteção Civil na Câmara Municipal de Esposende. A proteção civil municipal é “a atividade” desenvolvida pela autarquia para prevenir, proteger, socorrer e repor a normalidade face aos riscos inventariados, garantindo a segurança de pessoas e bens em caso de acidentes graves, catástrofes ou calamidades.
Não foi fácil chegar a um serviço, praticamente inexistente, e iniciar o trabalho, sobretudo, quando temos de lidar com situações inopinadas e que ninguém tinha experiência. Aliás iniciar um caminho, pegada após pegada, pois “o caminho faz-se caminhando”, é tarefa árdua e só se consegue com muita persistência, não só por ser necessário mudar atitudes e mentalidades, mas sobretudo, mudar comportamentos; pois, logicamente, toda a mudança gera resistência.
Como era natural e residente em Esposende tudo foi mais fácil, não só por conhecer bem a área geográfica do concelho, mas também porque tinha feito a minha dissertação de mestrado “risco de inundações no litoral de Esposende”. Por isso, podia dizer que havia um caminho já percorrido e que facilitava o percurso seguinte – a análise dos riscos. Pouco tempo depois iniciava-se um projeto estruturante para a proteção civil municipal, ou seja, a elaboração do plano municipal de emergência de proteção civil de Esposende. No serviço municipal de proteção civil havia um plano existente um pouco embrionário e que teria de ser revisto segundo as novas orientações da Proteção Civil Nacional. Para além do referido plano também foi elaborada a carta de riscos. Ora, o facto de haver um plano de emergência per si não resolve os problemas, mas é um manual de procedimentos que ajuda o serviço municipal a coordenar os vários agentes na prevenção e no socorro, pois define com clareza todos os procedimentos a executar. Por outro lado este plano municipal deve ser ajustado à realidade presente, daí ser um documento dinâmico, prático e flexível devendo estar sempre atualizado. A lei prevê a sua atualização periódica para estar sempre operacional em termos de consulta e fornecimentos de dados.
As restantes tarefas eram desenvolvidas ao longo do ano conforme iam surgindo, ora em termos de prevenção, ora em termos de socorro ou reposição da normalidade. Nem sempre a programação anual ou o plano de atividades era cumprido na íntegra devido a situações inopinadas, pois estas tinham sempre prioridade. Costumava dizer muitas vezes que as cheias previnem-se no verão e os incêndios apagam-se inverno, está claro, através da prevenção. Se no fim do verão começarem a limpar as linhas de água, os ribeiros, aquedutos, e etc., tudo está facilitado e provavelmente não haverá grandes cheias ou inundações, salvo se houver condições atmosféricas muito adversas. Caso contrário, faltando a prevenção tudo se complica. Foi uma aposta ganha durante a minha permanência no serviço municipal e, atempadamente, começou-se a fazer a limpeza. Quem não se lembra das inundações na EN 13 junto à rotunda da Zende? A prevenção faz-se por antecipação para evitar que aconteça, eliminando a necessidade do socorro e a reposição da normalidade. Dizia também que os incêndios apagam-se no inverno e assim “ não se combatem” no verão, pois durante o inverno devemos eliminar “o combustível” existente na floresta. Assim, sendo feita a limpeza dos montes minimizamos a probabilidade de deflagrarem os incêndios ou minorar os seus efeitos.
Mas para isso é preciso mudar de atitudes, mentalidades e comportamentos das pessoas, logo proceder a uma informação e formação das pessoas através da sensibilização para os riscos e perigos. Hoje, há mais informação e, por vez, até exagerada, por não ser percetível por todos ou demasiado alarmista. Muitas vezes havia “alertas” de risco e que, efetivamente, não se verificavam, o que levava muitas pessoas no próximo alerta a descuidarem ou minorá-lo, porque tal “alerta” de risco não aconteceu. Mas isso é o dever de prevenção e precaução, alertar para a probabilidade de acontecer um fenómeno e nem sempre acontece, mas ainda bem, mas a acontecer já estamos preparados.
As funções ou tarefas, genericamente, estavam relacionadas com a prevenção e segurança de pessoas e bens em todo o concelho. Podemos dizer que cada freguesia tinha os seus riscos ou perigos já identificados e assim era mais fácil planear a prevenção e a hipotética resposta em caso de anormalidade. Ao longo dos anos íamos fazendo “o trabalho de casa” para ser mais fácil e assertivo o planeamento no ano seguinte.

É possível fazer uma retrospetiva dos acontecimentos mais marcantes ou dignos de registo destes seis anos e quatro meses?
Recordo-me dos primeiros golfinhos que arrojaram à costa de Esposende, entre Belinho e Marinhas em avançado estado de decomposição em 2009. Só num ano deram à costa entre Antas e Apúlia 22 Golfinhos com cerca de 1,50 a 2 metros de comprimento, duas tartarugas com 1 metro, uma baleia em Cepães com 7,5 metros de comprimento e cerca de 9 toneladas e a última em Apúlia com 18 metros de comprimento e 28 toneladas. A baleia que deu à costa em Apúlia, ainda estava com vida e apesar dos esforços dos veterinários da equipa de Quiaios (Animais Selvagens) não resistiu aos ferimentos e morreu passado 5 horas. A remoção da baleia foi muito demorada, não só devido a problemas burocráticos, mas também porque envolveu muitos meios, terminando os trabalhos pelas 06 horas da manhã, ou seja, um trabalho conjunto e contínuo de 12 horas. Foi uma experiência única e totalmente desconhecida para todos os intervenientes. O único golfinho que retiramos vivo das águas do mar em frente ao Ofir foi lançado no rio Cávado, em frente ao Quartel dos B.V.Fão, daí que aquando da elaboração do plano de emergência foi escolhido o golfinho para mascote.
As inundações de 9 de Outubro de 2010.
Conhecendo bem o fenómeno natural das cheias e inundações em teoria, nada melhor do que assistir às cheias e inundações de 9 de Outubro de 2010. Uma coisa é certa, da teoria à prática há o abismo. Passei doze horas a correr, de lado para lado, para acorrer aos vários pedidos de socorro. Mas presenciar o mar galgar as dunas (com mais de 500 metros) na praia de Rio de Moinhos, junto ao ribeiro do Peralto era assustador. Em pouco mais de meia hora as dunas e o ribeiro do Peralto desapareceram.
As inundações de 22 de outubro 2013.
Talvez por coincidência, ou talvez não, o problema mais preocupante no dia-a-dia foram as cheias e inundações, precisamente, a minha área de estudo no mestrado – risco de inundações no litoral de Esposende. Bem, uma coisa é o que estudamos e os artigos ou livros que lemos na Universidade, outra coisa é enfrentar a realidade no dia-a-dia. Podemos dizer, que são coisas muito distintas, pois enquanto umas são situações descritivas que analisamos em ambiente tranquilo e de partilha de opiniões, outras são as verdadeiras situações de risco em que temos de pôr em prática os conhecimentos adquiridos, agilizar os procedimentos e a tomada de decisão para uma atuação o mais célere possível, de forma a fazer a prevenção do risco. Pois, geralmente, as cheias e inundações estão associadas a outros fatores, tais como: ventos fortes com rajadas, condições meteorológicas adversas, agitação marítima, segurança de pessoas e bens, acidentes rodoviários, etc. Analisamos as cheias em dois tipos: as cheias “lentas” em que haverá, provavelmente, tempo para fazer uma proteção mais ou menos segura de pessoas e bens, de forma a minimizar o impacto das águas, enquanto as cheias “repentinas ou rápidas” são de tal forma inopinadas que será impossível tomar medidas atempadamente, pois acontecem quase sempre sem “aviso” devido a algum contratempo ou fatores imprevistos. Podemos referir aqui as cheias de 22/23 de Outubro de 2013 que causaram graves problemas na rua Vasco da Gama e da parte norte da Cidade devido a chuva intensa e persistente, fenómeno ocorrido num curto espaço de tempo, e que era impossível minimizar por falta de condições, pois estávamos com condições meteorológicas adversas e em situação de preia-mar com forte ondulação devido ao vento forte. Assim, nada havia a fazer, a não ser esperar que a maré começasse a vazar e assim a água espalhada pelas ruas, naturalmente, seguia para o rio. Podemos dizer, com toda a certeza e sem preconceitos, que nestes casos temos de ter a frieza necessária para acalmar os ânimos mais exaltados (e foram muitos os impropérios), esclarecer e confortar as pessoas e aconselhá-las a saber esperar algum tempo para depois, aí sim, trabalhar na reposição da normalidade. Nesse dia houve alguns momentos de “impotência” para ajudar as pessoas e talvez de intolerância de algumas pessoas perante a fúria das águas, mas ao amanhecer o dia já tudo caminhava para a normalidade. As pessoas esquecem-se que nessa noite o concelho de Esposende tinha sido fustigado com ventos fortes e persistentes e a chuva abundante durante várias horas e não só a cidade de Esposende. Havia um inúmero de pedidos de socorro em várias zonas do concelho e daí a necessidade de hierarquizar as prioridades e agilizar a reposição da normalidade, mesmo que provisória. Foi a situação mais difícil que enfrentei ao longo dos seis anos e que para a qual não havia resposta no momento, apenas esperar calmamente para repor a normalidade, logo que possível.
Nos últimos anos apareceram no nosso concelho as denominadas “vespas asiáticas” também conhecidas por “vespas assassinas”. Como foi lidar com esse problema?
Bem, começo por corrigir o nome de “vespa velutina”. Estas vespas, inicialmente, apenas estavam localizadas no distrito de Viana do Castelo, daí que não se falava nem imaginava que em agosto de 2012 surgisse o primeiro ninho, com cerca de 1 metro, num eucalipto a mais de 20 metros de altura, em Rio de Moinhos- Marinhas. Foi um apicultor local que fez a descoberta do ninho e das vespas que lhe destruíam as suas abelhas. Era um caso novo e desconhecido e daí contatei a proteção civil de Viana do Castelo para colher informações. Reunimos alguns apicultores, porque estão habituados a lidar com as abelhas, e cumprindo todo o ritual próprio para esse ato, planeamos proceder “ à queima” do ninho. Tudo correu bem e analisamos o ninho em pormenor. Desde essa altura foram sendo descobertos outros ninhos, porque a população já identificava um ninho de vespas. Durante esse trabalho de eliminação de ninhos apenas tivemos uma situação de risco em que foi necessário recorrer ao hospital com dois intervenientes “picados” pelas vespas, apesar de protegidos com fato especial. Houve uma variedade de situações e de casos extremamente complicados (ninhos nos telhados e beiradas das casas, nos sótãos das casas, nas árvores, nos muros e buracos das paredes, etc.), mas conseguimos reduzir o número de ninhos de ano para ano. Houve também uma prevenção mais dinâmica com a colocação de armadilhas nas colmeias e outras formas de eliminar as vespas (garrafas com líquido açucarado). Foi um trabalho muito complicado, sempre em período noturno, com dificuldades acrescidas e algo perigoso. Mas foi confortante ver o número de ninhos a diminuir e os apicultores a colaborem connosco, nesta campanha de combate à vespa velutina. Como em tudo, nem tudo corre bem, mas podemos dizer que foi um êxito o trabalho realizado. Fomos a várias formações e estivemos sempre em contato com as entidades oficiais para informar e receber informações sobre a matéria. A necessidade obriga a ter engenho e arte e assim conseguimos fazer um artefacto pirotécnico para queimar os ninhos à distância através de um fio elétrico ligo a uma bateria. Apenas mais uma inovação!
Durante a permanência no serviço municipal estava sempre muito ativo nas prevenções e segurança de provas. Há necessidade de haver tanta prevenção?
A prevenção faz-se por precaução, não para que aconteçam as coisas, mas para se acontecer algum incidente o socorro seja imediato. Porquê a prevenção no campo de futebol, polícia, GNR e bombeiros ou CVP? Tal não significa que haja necessidade de intervenção, mas caso seja necessário estão presentes. Daí que no caso da prevenção a eventos é feito um plano de prevenção e são analisados os riscos e perigos inerentes e só depois se mobilizam os meios. Assim como num evento se contratam os artistas, também devem ser contratados os meios de prevenção descritos no plano. Não se esqueça que está em causa “a sua” segurança. Recordo um episódio caricato e inimaginável de referir no plano de segurança da Galaicofolia 2014, mas aconteceu e podia ter sido uma tragédia se acontecesse uma hora antes. Cerca da 1 hora da madrugada um cavalo galopou pela estrada fora, desde a igreja de Vila-Chã até ao palco instalado dentro do recinto da Galaicofolia. Felizmente nada aconteceu, mas podia ter sido uma situação de risco elevado e quiçá de mortes ou feridos graves. Não era previsível tal situação, mas aconteceu. O risco está sempre presente. A prevenção é fazer as coisas por antecipação, antes que elas aconteçam “ mais vale prevenir do que remediar”, diz o ditado popular. Devido ao atentado com um camião, em França, já se alteraram alguns procedimentos em grandes eventos. Recentemente, no caso da Feira Medieval em Santa Maria da Feira, que está a decorrer, a polícia mandou colocar umas barreiras nas entradas da feira (uns blocos de betão) por prevenção e precaução. Mais um caso recente registado na “Esposende 2000” em que uma criança passou o corrimão e caiu de uma altura considerável, embora durante 18 anos nada aconteceu, mas chegou o dia fatídico, pois o perigo estava lá.
Apenas mais uma curiosidade que se passou comigo aquando da aprovação do plano de segurança do auditório Rodrigues Sampaio e que se reflete neste caso supramencionado. Após a análise dos riscos chamei a atenção da responsável, precisamente, para o espaçamento do corrimão nas escadas de acesso ao primeiro andar e, de imediato, se procedeu à correção da anomalia. No melhor pano cai a nódoa, por isso devemos estar prevenidos. Não pode haver negligência.
Houve um acidente, recentemente, durante o lançamento do fogo-de-artifício numa festa em Marinhas. Qual a sua opinião sobre os riscos do fogo-de-artifício?
Bem. Não é por haver mais ou menos riscos que devemos acabar com o lançamento do fogo-de-artifício nas festas, pois são tradições que não podemos ignorar e devemos respeitar. Há, isso sim, muita sensibilização a fazer no setor do fogo-de-artifício e daí responder também aos casos de incêndio causado pelo mesmo. Não é proibindo totalmente o fogo-de-artifício, sem qualquer critério ou mesmo invocando o princípio das tradições (como das touradas de morte), mas encontrando um equilíbrio da decisão e analisando em que condições se pode realizar. Costumo dizer, em tom de brincadeira, que o pirotécnico só se engana duas vezes na vida “a primeira e a última”, porque geralmente morre após a incidente. Como técnico de segurança “ATEX” julgo que deveríamos pensar em simplificar os procedimentos, mas exigir mais responsabilidades aos proprietários das pirotecnias e às comissões de festas. Consta que o indivíduo atingido pelo fogo era “encartado”, mas isso não é bastante ou suficiente para lançar o fogo. Teve alguma formação recente para este tipo de lançamento? Quem deu a formação? Quais as capacidades do lançador? Há seguro de responsabilidade civil? Não podemos continuar impunes por negligência ou omissão (formação). As comissões de festas devem ser criteriosas na escolha e responsabilidade das pessoas encartadas para o lançamento do fogo para evitar situações como a referida. As empresas que procedem à emissão da carta de lançador de fogo deviam ser obrigadas a fazer ações de formação (ou reciclagem) uma vez por ano aos encartados. Também há situações do lançamento do fogo em locais de risco elevado (próximo da floresta) embora cumprindo a distância em vigor, mas sem qualquer meio de socorro no local para um eventual princípio de incêndio. Deve haver prevenção com meios de combate a incêndios aquando da queima do fogo, pois o risco é iminente e, por vezes,” o incendiário” espera pelo início de queima do fogo para provocar um incêndio. Se eliminarmos os casos negligenciados aquando do lançamento do fogo-de-artifício não haverá, certamente, incidentes ou incêndios. Defendo que deverá haver prevenção “máxima” para evitar os incêndios e cumprir, sempre, a legislação em vigor. Felizmente, já se está a optar pelo fogo “de tubo”, em vez de cana.
A Câmara Municipal de Esposende vai construir “um canal”, um intercetor das águas a nascente de Esposende, entre a Solidal e a EN 13- em Cepães, para prevenir as cheias e inundações em Esposende. Como técnico de prevenção de riscos dê a sua opinião. Concorda com o projeto ou havia outras soluções?
Começo por revelar a minha satisfação aquando do conhecimento da intenção de se investir na prevenção de cheias e inundações em Esposende. Houve reconhecimento do Poder Central face aos acontecimentos verificados em 22 de outubro de 2013, para o risco de inundações. É uma forma de fazer “mea culpa” pelos erros negligenciados aquando da construção do IC1/A28 ao ignorarem as consequências dos desvios das águas com a construção da estrada. No entanto, fiquei algo apreensivo ao ver tantos “milhões” anunciados para a concretização do projeto e quando “a esmola é grande o santo desconfia”.
Mas analisemos “o canal” em termos de segurança para a resolução definitiva das cheias e inundações, em Esposende. Os riscos naturais ocorrem sem a intervenção do Homem (cheias, inundações, tsunami, terramoto, etc.). No entanto, é difícil considerar que estes fenómenos continuam a ocorrer de forma independentemente da ação humana já que as causas e as consequências são resultados dessa ação. Daí que as cheias e inundações verificadas, embora sendo fenómenos naturais, foram causadas pela intervenção humana (anteriormente) que não tomou as medidas preventivas necessárias para salvaguardar as consequências futuras sobre os desvios das águas.
Antes de mais, as cheias são fenómenos naturais que podem acontecer sempre que se verifiquem situações imponderáveis, ou haja condições atmosféricas adversas e graves que provoquem o aumento significativo dos caudais do rio Cávado, das linhas de água e dos ribeiros, obrigando o leito a extravasar as suas margens. O caso de Esposende é agravado quando os períodos de marés (sendo vivas) são coincidentes com as descargas das barragens. As inundações verificam-se quando há saturação dos solos e devido ao deficiente escoamento das águas acumuladas. Ora, assim podemos inferir que todas as cheias provocam inundações, mas nem todas as inundações são provocadas pelas cheias.
A segunda questão colocada é saber se esta seria a única ou a melhor solução para o problema. Evidentemente que haveria sempre mais opções, mais duas ou três soluções para resolver o problema. Mas, atendendo ao Plano Diretor Municipal (PDM) que prevê a construção da variante à EN 13, entre a Solidal e a EN 13, em Cepães, julgo ser uma boa opção, até porque a própria construção dessa estrada já condicionava a necessidade do “canal” para a drenagem das águas de nascente. Esta solução é a mais sensata e integra-se no previsto no PDM. Já quanto à largura de 5 metros parece-me ser um pouco exagerado, mas não vi o estudo para analisar e posso estar errado.
Outra questão que se coloca é o projeto do canal, ainda em elaboração. Aqui, segundo as informações do conhecimento público, parece que a solução encontrada, no meu entendimento, não será a melhor em termos de segurança pelas razões que passo a descrever: Há uma descarga para norte, para o ribeiro da Redonda que vai fragilizar ainda mais uma frente marinha, já de si muito ameaçada pela erosão costeira devido ao avanço do mar (previsão de 1 metro neste século) e à destruição dunar. Mas, concordo e até porque há poucas soluções, pois outra solução pensada seria muito dispendiosa, mas deve ser ponderada a construção de uma “comporta” para controlar as descargas do ribeiro e evitar a entrada do mar no ribeiro em situações de preia-mar. Certamente que esta chamada de atenção será tida em conta pelos técnicos responsáveis pelo projeto. Já quanto à descarga para o lado sul, a sul da rotunda da Solidal, nas traseiras do Mira Rio e a poente da variante para Fão estou em desacordo “parcial”. Sempre defendi, mesmo ainda quando estava no serviço municipal que as águas que drenam para nascente da Solidal deveriam ser encaminhadas para o rio Cávado num local o mais próximo da ponte de Fão. As razões são evidentes, pois a rotunda da Solidal é uma área inundável e com o volume das águas que serão desviadas no canal para sul, vão aumentar consideravelmente o risco de inundações, pois quer o ribeiro da Vasco da Gama, quer o ribeiro junto do Merc Atlas têm um caudal muito significativo. Ao fazer-se um canal aberto naquela área é, à partida, facilitar as inundações nas zonas envolventes. Pretende-se com a construção do canal eliminar as inundações e não “transferir”, simplesmente, o local das inundações. A minha opinião, para eliminar os perigos e os riscos nesse local, passaria por encaminhar o canal a nascente da variante para a ponte de Fão até ao cruzamento de Gandra, e aqui recolher as águas da rua de S. Martinho, e depois seguir para o rio Cávado. Assim, conseguimos eliminar alguns locais perigosos (área envolvente do Mira Rio/Solidal) em picos de maré e minimizar os riscos de inundações. Por outro lado, seria mais económico as expropriações dos terrenos a nascente dessa variante. Mas há uma certeza: mais do que conviver com o risco, torna-se necessário construir uma cultura do risco que permita uma convivência não por negligência, mas ativa e empenhada. O aforismo “Esposende privilégio da natureza” tem o reverso da medalha e daí que Esposende terá sempre, inevitavelmente, uma “ameaça” de cheias e inundações, ora de nascente (agora a eliminar), ora de poente devido à subida do nível do mar (1 metro neste século) devido à sua situação geográfica. Esposende à beira mar plantado!
Como última questão e não menos importante é a conservação do canal e os custos que acarretará no futuro. Será a autarquia ou a União de freguesias a suportar os custos? Mas quem é o dono da obra? Geralmente, só se pensa depois e… depois logo se vê!
Segundo as informações do senhor Presidente da Câmara, numa reunião com os proprietários dos terrenos, o canal seria semelhante ao existente na rotunda de Apúlia. Por curiosidade minha, desloquei-me à referida rotunda e confirmei o que já sabia, mas que pouca gente vê: o canal tem largura suficiente, é certo, mas tem uns “tubos” com sensivelmente 40 centímetros de diâmetro nas travessias. Assim não!... Será uma realidade “o canal” em 2017? Tenho muitas dúvidas dado a escassez de tempo para as burocracias. Pois,” depressa e bem, há pouco quem”. Tenho uma certeza que Esposende, com ou sem “canal” Esposende terá de conviver com as cheias e inundações. Oxalá me engane!
Muito recentemente foi feita uma intervenção na restinga de Ofir. A Agência Portuguesa do Ambiente fez uma empreitada e colocou uns sacos de areia. Qual o seu comentário sobre a solução encontrada para a erosão da restinga?
Bem. Não é fácil responder à sua pergunta porque não sou engenheiro nem estou relacionado com “ a hidráulica”. Apenas vou dar a minha modesta opinião em termos de riscos e segurança. As restingas são “partes móveis de areia” daí que considero um “erro” tentar fixar a restinga, mas não há consensos nesta, como noutras matérias. Por outro lado, temos a colocação de geocilindros (vulgo saco têxtil) que já começaram a rasgar. Algumas das razões: a colocação de sacos muito cheios o que transforma o saco “em bola” por isso qualquer fricção provoca um rasgão; a colocação dos sacos “tipo muro” sem alicerces (na areia), o que com a deslocação da areia e a forte ondulação provoca movimentação, fricção e a destruição; as correntes de vazante e a forte ondulação transporta muitos godos e lousas muito afiadas que provocam cortes dos sacos. Haverá outras razões?! Nunca fui defensor da colocação dos geocilindros na restinga porque não acreditava na eficácia dos mesmos, depois de ver uma construção de “um muro de sacos BigBags de 1000 kg” com 120 metros de comprimento, em Ofir, e que durou cerca de um mês. A força do mar é destruidora! As marés do início do ano foram muito fortes e afetaram significativamente a restinga e, consequentemente, a obra realizada.
A maior dificuldade em encontrar uma solução são as permanentes mudanças de direção da ondulação que modificam a restinga, por isso já os pescadores (mais antigos) diziam “a barra muda de cara todos os dias”. O estudo efetuado por mim desde 2008 a 2015, de outubro a março, sobre a direção da ondulação comprova isso mesmo.
Antes de começarem os trabalhos tinha lido vários estudos e propostas preconizadas pelo Prof. Veloso Gomes para a restinga. Mas, no meu entendimento, começou-se pelo fim, pois devia-se começar pelo arranjo do esporão do farolim amentando 30/50 metros (na direção do canal das Polveiras) e aguardar algum tempo para analisar as alterações no local e o comportamento da restinga. Deve ser aberto um canal no molhe aderente (junto ao antigo Cais Bilhano) de forma a permitir a saída da areia transportada pela ondulação e que fica retida a nascente do referido molhe. Devido ao assoreamento do rio Cávado, ao reduzido caudal no transporte de inertes para a foz a restinga ficou muito fragilizada e com a forte ondulação do mar quase desapareceu. É urgente fazer uma dragagem do rio Cávado desde a ponte de Fão para abrir um canal navegável e transportar a areia para a foz. Desta forma estamos a alimentar a restinga e ao mesmo tempo estamos a criar condições para espaço de armazenamento das águas evitando as cheias e inundações. A solução para a restinga passa pela sua alimentação com a areia retida a montante do molhe aderente e a existente no rio Cávado e a abertura do canal para haver a movimentação da areia e não ficar aí depositada. Em suma, não é fácil decidir, pois só há incertezas quanto aos resultados. Os “sacos” podem ser, brevemente, uma ameaça para as embarcações, como aconteceu em Ofir.
Certamente que quando deixou o serviço municipal de segurança e proteção civil não concretizou todos os seus sonhos. O que gostava ainda de fazer?
Em primeiro lugar fazer a ativação do plano municipal de emergência de proteção civil de Esposende, penso que ainda não foi feita, para testar todos os setores e rever ou reajustar os procedimentos de forma a agilizar de uma forma expedita e dinâmica o plano e aferir dos constrangimentos verificados para a sua operacionalidade.
Em segundo lugar concretizar um sonho apresentado, aquando das eleições em 2013, para a implementação de uma Escola de Segurança Rodoviária, no parque da feira, destinado à formação escolar dos jovens do concelho e, em simultâneo, para apoio e formação suplementar às pessoas mais idosas com carta de condução e que necessitassem de uma reciclagem. A prevenção rodoviária deve começar, bem cedo, nas Escolas.
Em terceiro lugar fazer “aquilo que ainda não foi feito” e há tanto a fazer!
O concelho de Esposende tem um plano municipal de emergência aprovado. Isso significa que podemos estar mais descansados em termos de segurança?
Podemos afirmar que sim, em parte, pois temos um documento que reúne todos os procedimentos necessários para atuação dos diferentes agentes da proteção civil, a nível de disponibilidade de meios existentes, a hierarquização e coordenação dos meios e as normas regulamentares previstas pela Autoridade Nacional da Proteção Civil para a situação de ativação do referido plano. Por outro lado, é necessária a colaboração de todos os cidadãos neste processo em caso de acidente grave ou catástrofe, desde a prevenção ao socorro até à reposição da normalidade. Pois, “a proteção somos nós”.
Para além do plano municipal (geral) há mais três planos especiais, a saber: o plano da zona histórica de Esposende (Z.H.E), o plano da zona histórica de Fâo (Z.H.F) e o plano da zona industrial de Esposende (Z.I.E.).
Pode resumir, sinteticamente, todo o seu trabalho durante esses 6 anos e 4 meses no serviço?
O que fica depois do trabalho feito são as obras, essas permanecem, as palavras leva-as o vento. Tenho o sentimento do “dever cumprido” e gratidão das pessoas que colaboraram comigo neste projeto. Os frutos dessa amizade e colaboração estão, agora, a dar frutos. Pois quem “semeia ventos, colherá tempestades”. Porém, eu procurei estar ao serviço das pessoas do meu concelho, pois o meu lema era - saber ser e saber estar- para servir as pessoas do meu concelho.
Hoje, as pessoas reconhecem o trabalho realizado durante esse tempo, o que me enche de orgulho e fico, eternamente, grato a quem confiou em mim. Por isso, quero aproveitar esta oportunidade para dizer um muito obrigado a todos os que colaboraram comigo, todos fizeram falta, cada um e em cada momento, foram indispensáveis. Obrigado.
Porque estamos a iniciar as festividades em honra da Senhora da Saúde e Soledade gostaria de ouvir algumas palavras sobre estas festividades. Foi entusiasta colaborador das Festas da Senhora da Saúde e Soledade. Conte-nos algo sobre o passado dessas festas.
Fui colaborador muitos anos das Comissões da Festa da Senhora da Saúde e Soledade, inclusive gozava parte do período de férias a trabalhar no programa das festas. Foram muitos anos a trabalhar com muita alegria, quer na parte profana, quer na parte religiosa e eram as pessoas que diziam “não deixem acabar a nossa festinha”. Recordo com saudade alguns elementos das Comissões de Festa que já partiram para a eternidade e que trabalharam afincadamente para se fazerem várias atividades que engrandeciam as festividades, tais como: os vários concursos de saltos, o I festival hípico (no campo de lavradio, hoje rua Vasco da Gama) que trouxe a Esposende os melhores cavaleiros (entre os quais também estiveram O Sabino, o Coronel Bívar, O José Cid, o Tenente Mariz, a Cavalaria da GNR do Porto, etc.). As regatas no rio Cávado com os nossos pescadores, quem não se lembra? Mas o mais inovador nas nossas festas foi o fogo-de-artifício “piromusical” que trouxe um brilho especial à noitada do dia 14 de agosto. Ainda hoje, a noitada do dia 14 é considerada o ponto alto do programa profano, com o despique das bandas de música e a finalizar um belo e estrondoso piromusical. Sabemos que há algumas pessoas (ainda hoje) que não gostam do fogo-de-artifício, talvez porque sofram de “pirofobia” ou outra razão, mas não devemos esquecer dos milhares de pessoas que adoram ver uma sessão de fogo “piromusical”. Atualmente vem muita gente às festividades, nos dias 14 e 19 de agosto, só para apreciar o fogo-de-artifício. Foi uma aposta ganha em termos de cartaz das festas.
Como eram divulgadas as festividades?
As festividades eram divulgadas através dum cartaz grande que era colocado nas montras dos estabelecimentos. Depois eram distribuídos uns desdobráveis (flayers) com o programa completo das festas. Mais tarde, também começamos a fazer uma publicação (designado um livro) do programa das festividades com a publicidade dos vários patrocinadores, eram outros tempos, é certo, mas faziam-se as coisas com muito trabalho e muito gosto. Nesse tempo, dizia o povo “não deixeis acabar as tradições dos nossos antepassados”, pois não se devem deixar “acabar as tradições, nem aumentar”, mas simplesmente manter as mesmas e, se possível, melhorá-las. Lembro-me de uma tradição muito antiga dos donos das motoras recolherem o dinheiro do pescado para fazerem o donativo (bênção do mar) para as festas da Senhora da Saúde. Bons tempos! Hoje, já não há motoras como nesses longínquos anos de 70 ou 80.Quem não se lembra dos sermões na ribeira com a bênção do mar? Recordo-me, ainda hoje com saudade, de receber vários telefonemas de excursionistas a perguntarem-me a que hora era o sermão na ribeira. Era um momento “alto” das festividades e que por vezes deixava muitas pessoas emocionadas, em lágrimas, ao recordem os seus entes queridos que perderam a vida na água salgada do mar na faina diária ao buscarem o sustento para os seus filhos. Muitas vezes o pregador aludindo ao mar referia o poema do poeta Fernando Pessoa “ó mar salgado, quanto do teu sal, são lágrimas de Portugal ”. E no final do sermão as girândolas estalejavam no ar fruto do contributo dos homens do mar, era assim a tradição nesse tempo. Hoje, por razões de segurança, tal tradição não é possível junto ao rio, mas cumpre-se na mesma no final da procissão, junto ao souto da Senhora da Saúde.
Ainda se mantêm as tradições vividas na Festa da Senhora da Saúde e Soledade ou estão em decadência?
Compreendo, perfeitamente, que havia algumas tradições que deveriam mudar ou adaptarem-se à realidade atual, algo menos intransigente e indo de encontro aos direitos das pessoas, recordo por exemplo a alvorada com morteiros, logo ao amanhecer. O que os nossos antepassados tinham, algumas festas ainda mantêm, como orgulho das comissões anunciarem as festividades com a “alvorada” vai caindo em desuso esta tradição e, efetivamente, não se justifica nos tempos de hoje. Pois, era uma forma de anunciar a festa ou romaria. Da mesma forma o fogo-de-artifício “de cana pum-pum-pum” também estar a perder adeptos e a ser substituído pelo fogo de “ tubo” que é mais seguro e mais fácil de controlar. Assim, é possível manter as tradições mas evoluindo, agradando a todos. Contudo, haverá sempre alguém que não goste do fogo-de-artifício, mas paciência, não se pode agradar a todos.
Lendo a história das festas em honra da Senhora da Saúde e Soledade (centenária) de Esposende verificamos que havia uma certa “rivalidade” com a Senhora da Saúde, do lugar de Outeiro - Marinhas.
No caso das festividades da Senhora da Saúde e Soledade houve, de alguns anos a esta parte, algumas alterações ou mudanças que não foram bem aceites e deixaram “mazelas” insanáveis em algumas famílias. Há tradições que tinham 100 anos, basta lembrar a história da doação da imagem da Senhora da Saúde por uma família de Marinhas, e que de repente (sem justificação aparente) não foram cumpridas. No meu modesto entendimento julgo que deveriam, na altura devida, ter falado com as famílias envolvidas nessas tradições para evitar estas quezílias. As mudanças provocam sempre algumas resistências e neste caso em concreto foi mais evidente, dado que essas famílias sempre cumpriram com as suas tradições e estiveram sempre presentes nas festividades e, inclusive, deslocavam-se do estrangeiro, propositadamente, para o efeito. No nosso tempo nunca faltaram aos seus compromissos. Ainda há tempo de tentar curar as feridas, para que ano após ano, no dia 15 de agosto, não haja mais uma recidiva e as feridas continuem a sangrar. Pois, há mágoa entranhada e será difícil esquecer os seus antepassados nesse dia. É compreensível!
Também sabemos que algumas alterações às tradições não foram bem aceites pelos moradores da parte sul da Cidade.
Efetivamente, houve outras alterações que mereceram algum repúdio ou contestação de algumas pessoas. Refiro-me concretamente à procissão de velas no dia 13 de agosto, às novenas da Senhora da Saúde e à procissão do dia 15 de agosto, à parte sul da Cidade. Apenas um comentário construtivo e muito pessoal a essas questões: Quanto à procissão de velas no dia 13 de agosto sempre esteve no programa, pois era uma tradição nesta Vila e era a forma de levar as pessoas, em procissão, para o adro da Senhora da Saúde e depois assistirem a atuação de variedades constantes do programa. Juntava-se o programa religioso ao programa profano. Sempre foi intenção das Comissões de Festa realizar as festividades de 13 a 15 de agosto no souto da Senhora da Saúde. Até quando?
Quanto às novenas (durante 9 dias) na Capela da Senhora da Saúde também fazia parte da tradição secular e sempre foi respeitada. As alterações feitas não afetam ninguém, penso eu, e será apenas uma maneira diferente da habitual de honrar a Senhora da Saúde e Soledade. O que interessa é manter bem viva a tradição de realizar as festividades da Senhora da Saúde e Soledade honrando Maria, nossa Mãe e Padroeira, e cumprindo os anseios dos nossos antecessores. Da minha parte, sempre que posso e faço por isso, estarei sempre presente nas novenas, no terço ou nas missas, durante esses dias que antecedem as festividades.
Já quanto à procissão à parte sul da Cidade não quero fazer qualquer comentário, pois foi precisamente no meu último ano como colaborador da Comissão de Festas que, por motivos imperativos que desconheço, que terminou essa tradição. Reconheço a revolta das pessoas do sul, mas… só a procissão da Senhora da Saúde é que deixou de ser tradição? As outras tradições continuam? Sinto, ainda hoje, alguma tristeza por não se cumprir essa tradição com 100 anos de história. Mas… que continue a haver a festa da Senhora da Saúde e Soledade.
Hoje, as Festas da Senhora da Saúde e Soledade são integradas nas Festas da Cidade de Esposende? Que comentários?
Bem, não podemos dizer que é mesmo assim. Durante alguns anos a Comissão de Festas da Senhora da Saúde e Soledade tentou negociar com a Câmara Municipal de Esposende fazer um protocolo de forma a haver uma integração das Festas da Cidade, tendo como exemplo, as festas de S. João em Braga, as festas das Cruzes em Barcelos, as festas da Senhora da Agonia, em Viana, ou as festas das Feiras Novas em Ponte de Lima, etc. Porém, nunca se chegou a esse acordo e a fazer-se o referido protocolo. Sempre defendi a necessidade desse projeto comum, pois as festividades ganhavam em dimensão e minimizavam os custos. Por várias razões o problema foi, sempre, adiado. Presentemente, desconheço os acordos feitos, mas segundo algumas informações continua a não haver um protocolo, mas uma “miscelânea” que se mantém até próximo das festas. Isto é preocupante para as comissões, porque os contratos não se fazem a um mês das festividades. Geralmente, as festas são contratadas com quase um ano de antecedência e só assim se pode escolher, quer as Bandas de Música ou conjuntos, quer o arraial ou diversões. Para quem conhece os meandros da organização das festividades sabe bem disso e não pode esperar até um mês da festa para decidir. Continuo a defender a necessidade de haver um protocolo, semelhante às outras autarquias, e que as comissões ou responsáveis sejam nomeadas para haver um verdadeiro programa integrado e devidamente planeado de forma a criar uma imagem das festas concelhias. Quer queiramos, quer não, as festas da Senhora da Saúde e Soledade serão, sempre, parte integrante das Festas da Cidade. Haja vontade de unir esforços, de ambos os lados, e teremos um projeto credível, em que cada uma das partes terá a sua responsabilidade – a religiosa e a profana. A continuar assim, indefinidamente, não teremos um cartaz das Festas da Cidade de Esposende. É tempo de pensar, seriamente, sobre o assunto.
Sei que já não faz parte dos elementos da Comissão de Festas há alguns anos. Mesmo assim, como vê as Comissões?
Bem, tudo tem o tempo certo, quer para entrar, quer para sair, como na vida. Por motivos profissionais e falta de tempo e de saúde abandonei as comissões, mas continuo a colaborar com a festa e não quero que ela acabe. Ser elemento da comissão, também designado como “festeiro” obriga a ter muita disponibilidade de tempo e muita vontade para cumprir a sua missão. Porém há, por vezes, pessoas que aparecem e abandonam, no ano seguinte, as comissões porque não é fácil a tarefa. Pessoalmente defendo que as comissões de festas, de índole religiosa, devem integrar apenas elementos que se identifiquem com essa matriz de honrar os santos padroeiros. Aproveito a oportunidade para louvar todas as Comissões de Festas que continuam a proporcionar aos forasteiros momentos de convívio e lazer e ao mesmo tempo cumprem uma tradição secular honrando a Senhora da Saúde e Soledade. Para todos, o meu bem-haja.
Agradeço ao amigo Mário Fernandes a oportunidade que me concedeu de dar o meu testemunho sobre as festas da Senhora da Saúde e Soledade.

NOTA FINAL
Manuel Losa é um homem que conheço muito bem, desde há muitos anos. Enquanto autarca de freguesia trabalhei com Manuel Losa em inúmeras situações, incluindo no Conselho Municipal de Segurança. Esta foi uma entrevista mais técnica que o habitual, com a qual pretendi trazer a público a opinião de um especialista, sobre vários temas da atualidade local, como; As obras da barra, o canal que pretende desviar as águas da cidade, a proteção civil, os ninhos das vespas velutinas e as próprias festas da cidade.

Mário Fernandes
06-07-2016