domingo, 29 de novembro de 2015

JORGE FARIA APRESENTOU «A CASA DOS MALDITOS»



«A CASA DOS MALDITOS»
AUTOR JORGE FARIA

O escritor e romancista, prof. Jorge Faria, deu-me o prazer de me convidar para intervir na sessão pública de apresentação do seu mais recente romance. Deixo aqui um resumo daquilo que foi a minha intervenção:

Depois da publicação de vários contos e do primeiro romance “Os Pecados do Padre José Pilar”, eis que surge o segundo romance lançado esta semana, com o título «A Casa dos Malditos».

A sessão de apresentação realizou-se no auditório do centro paroquial de Palmeira de Faro e contou com a presença de muitas pessoas que aproveitaram para adquirir o livro e ter a rubrica do seu autor.

Conheço o meu caro e bom amigo, Jorge Faria, desde longa data. Vou transcrever aqui parte daquilo que foi a minha intervenção na sessão de apresentação do livro «A Casa dos Malditos» realizada no passado dia 21 de novembro, no auditório paroquial de Palmeira de Faro. “Cumprimento a Mesa, o autor, prof. Jorge Faria e saúdo esta bonita plateia. Estando em concorrência direta com Jorge Jesus e Rui Vitória [do Sporting / Benfica] e ainda mais com um outro escritor, Pedro Chagas Freitas, a esta hora em Esposende, e apesar de tudo isso termos este auditório tão composto, só pode significar o carinho que nutrimos pelo Jorge Faria e pela excelência da sua escrita. É também um sinal de que as pessoas estão atentas à cultura e que este país não são só os “futebóis”.

O convívio com o prof. Jorge Faria permite-me trazer aqui, hoje, a esta bonita sessão e a tão ilustre plateia, o meu conhecimento e o meu testemunho a cerca do homem. Já aqui muito foi dito sobre o seu profissionalismo e o seu currículo, por isso vou falar- vos apenas um pouco do lado mais pessoal, social e até intimista:

Do seu trabalho apenas testemunhar que fiz parte de um júri de um concurso de escrita, que organizei na Junta de Freguesia de Curvos, que avaliou uma série de trabalhos onde se encontravam vários contos de Jorge Faria, tendo sido distinguido com um segundo lugar e uma menção honrosa. Para além disso aquilo que todos sabem, pelo menos aqueles que leram o seu primeiro romance «Os Pecados do P.e José Pilar»: Um romance arrebatador e envolvente.

Mas afinal, quem é Jorge Faria?

É um homem de trato fácil e com um discurso sempre muito direto e informal. O Jorge Faria não é cá homem de meias palavras, ou do diz que disse. Lembro-me quando o conheci logo se encarregou de me “impor” um trato informal, no sentido de nos tratarmos por “tu”.

Permanentemente bem disposto e sempre com uma piada na ponta da língua. Gosta do convívio e deixa alegre quem com ele priva e conversa. Possuidor de uma invulgar perspicácia e de um apurado sentido de oportunidade, brinda-nos com um apurado humor, bem refinado, muitas vezes matreiro, mas inofensivo. Digo eu.

O seu primeiro romance foi um sucesso. Quem já o leu estou certo que concordará comigo. A crítica foi muito positiva. A grande virtude da escrita do Jorge Faria provém precisamente desta capacidade inata do autor para criar e para transpor para a escrita aquilo que lhe vai na alma, fruto de um estudo e de uma investigação tão empenhada, que coloca na preparação dos seus contos e romances ficcionados.
Nos seus livros, neste caso nos seus romances, não falta o picante que ele tanto gosta de puxar à conversa. Esta é aliás uma das principais caraterísticas do seu estar e do seu ser. Vive com entusiasmo e paixão tudo aquilo que faz.

A todos os amigos e conhecidos aconselho a compra do livro. Leiam-no e sugiram a sua leitura. Não há nada como o prazer de folhear um livro. A Internet jamais substituirá o papel, antes o complementará.
Bem hajas, Jorge e continua assim, porque é um prazer ler-te. Agora que nos habituas-te à tua escrita, vais ter-nos sempre à espreita, à espera do... próximo. Estou certo que ainda hás de figurar na galeria dos grandes escritores portugueses. Um abraço, forte.



 


MF


sexta-feira, 27 de novembro de 2015

ENTREVISTA COM AMÉLIA JORGE NO JORNAL NOTÍCIAS DE ESPOSENDE DE AMANHÃ



Amanhã, mais uma grande entrevista com uma esposendense que preside a uma instituição concelhia de referência. Amélia Jorge preside à "Cruz Vermelha de Esposende" e tem muitos objetivos para concretizar. Uma entrevista a não perder na edição de amanhã do «Jornal Notícias de Esposende».

MF



quarta-feira, 25 de novembro de 2015

DESTA VEZ O SEGUNDO VAI MESMO SER PRIMEIRO


Estamos sempre a aprender.

Desta vez, o segundo vai mesmo ser o primeiro.

Estava aqui a pensar que há sempre uma primeira vez para tudo. Também amanhã, vamos pela primeira vez, ter, um segundo, a primeiro.

Apesar da surpresa, desejo-lhes as maiores felicidades no desempenho das altas funções que se preparam para assumir.

MF


terça-feira, 24 de novembro de 2015

ALBERTO BERMUDES LIDERA LISTA AOS ÓRGÃOS SOCIAIS DOS BOMBEIROS DE ESPOSENDE



NOTA DE IMPRENSA
DE 07-11-2015

Ex.mos Senhores;
COMUNICAÇÃO SOCIAL

Cordiais cumprimentos
A Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários de Esposende vai a eleições no próximo dia 18 de dezembro, sendo que pela primeira vez, nas três últimas décadas o atual presidente não se recandidata ao cargo. Agostinho Teixeira deixa assim a direção, mas integra a Lista liderada por Alberto Bermudes, no lugar de presidente da Assembleia Geral.
Alberto Francisco Barros Bermudes, economista, ex. bombeiro, esposendense com um vasto currículo no associativismo e com uma forte e empenhada participação cívica, propõe-se liderar a direção dos Bombeiros no próximo triénio, para o qual conta com uma equipa composta por 26 associados, concorrendo aos quatro órgãos da associação: Assembleia Geral, Direção, Conselho Fiscal e, registe-se, pela primeira a concorrer também com uma Lista para o Conselho Consultivo, que deverá ser instalado enquanto órgão de aconselhamento e apoio à direção.
Esta Lista, agora formalmente constituída deverá ser entregue nos próximos dias, acompanhada de um ambicioso mas realista programa de ação, para concretizar nos próximos três anos.
Deste programa destacam-se, em traços gerais, obras de conservação do atual quartel, a criação de novas valências e a extensão de serviços, a celebração de novos protocolos, o reforço do quadro de bombeiros e do número de associados, a melhoria das condições de funcionamento e o reforço de meios de apoio e socorro, de entre várias outras propostas.
As celebrações do 125º Aniversário da Instituição terão especiais comemorações no mês de março do próximo ano, onde um dos pontos altos deverá contar com a realização de um conjunto de eventos que evidenciem e distingam o meritório trabalho de todos quantos passaram por esta “casa”. Momento especial para condecorar benfeitores, beneméritos e todos aqueles que de alguma forma se tenham destacado pelos serviços prestados em prol da comunidade e pelo engrandecimento da Instituição.
Alberto Bermudes na intervenção que fez este sábado, começou por saudar a presença de todos e por “agradecer a todos a disponibilidade demonstrada para trabalhar em prol dos bombeiros”. Elogiou “o trabalho dos anteriores órgãos sociais, na pessoa do presidente cessante, Agostinho Teixeira” e elencou “as prioridades para o próximo mandato, caso sejamos eleitos, como espero”, referiu.
Pediu a todos o máximo empenho e lembrou que “o fator de sucesso é ter paixão. Paixão pelos bombeiros, paixão naquilo que se vier a fazer e paixão por esta causa nobre.”
Apelou “a todos os associados para que se envolvam e participem no ato eleitoral que se avizinha, porque quanto maior for a participação, mais força terá esta equipa para trabalhar por esta distinta e centenária instituição.”
Ao dispor.
Mário Ferreira Fernandes
Secretariado e Comunicação
Candidatura de “Alberto Francisco Barros Bermudes”.
E-mail: marioferreirafernandes@gmail.com
Contacto: +351.969.052.529
2015/11/07.

LISTA CANDIDATA AOS ÓRGÃOS SOCIAIS

ASSEMBLEIA GERAL
Presidente Agostinho Pinto Teixeira
Vice-Presidente João Augusto Pinto Vilarinho Rodrigues
Secretário Francisco Manuel Guimarães Melo
Suplente Paulo Fernando Ferreira Teixeira
Suplente Maria Paula Fernandes Ferreira

DIREÇÃO
Presidente Alberto Francisco Barros Bermudes
Vice-Presidente Fernando Maria Loureiro Ferreira
Secretário Mário Ferreira Fernandes
Secret-Adjunta Ana Margarida Ferreira Morgado
Tesoureiro Francisco Rodrigo Santos Pereira V. Lima
Tesour-Adjunto Carlos Manuel De Lima Barros
Vogal João Eduardo Pinto Felgueiras
Vogal Rosa De Jesus Oliveira Saleiro
Vogal Manuel Lopes Boaventura
Suplente José Boaventura Marques Rego
Suplente Ivone Maria Moreira S.Baptista Magalhães

CONSELHO FISCAL
Presidente Abílio Da Silva Teixeira
Vice-Presidente Fernando Marques Boaventura Rego
Secret.Relatora Francisca MªSequeira Silva Ribº De Castro
Suplente Maria de Fátima Malheiro Dias De Castro
Suplente José Alberto Torres Magalhães

CONSELHO CONSULTIVO
António Pinto Macedo
José Manuel Almeida Da Costa
Vitorino José Pinto Moreira Fernandes
João Miguel De Barros Zão
Carlos Alberto De Barros Zão

LISTA CANDIDATA ÀS ELEIÇÕES DE 18 DE DEZEMBRO DE 2015, AOS ÓRGÃOS SOCIAIS DA «ASSOCIAÇÃO HUMANITÁRIA DE BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE ESPOSENDE».


A LISTA Candidata aos Órgãos Sociais da “Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários de Esposende”, liderada pelo Dr. Alberto Francisco Barros Bermudes, foi entregue ontem no Quartel dos Bombeiros, em Esposende. O ato eleitoral que vai eleger os corpos sociais para o próximo triénio, realizam-se no dia 18 de dezembro. Apelamos à participação de todos os associados, para mostrar a vitalidade e a grandeza desta insigne instituição. Secretariado e Comunicação da Candidatura; Mário Fernandes

MF


domingo, 22 de novembro de 2015

À CONVERSA COM CÁTIA DIAS DIRETORA DA APPACDM DE ESPOSENDE


CÁTIA DIAS DIRIGE O COMPLEXO DE ESPOSENDE DA “APPACDM” HÁ 2 ANOS
“Em cada gesto simbólico, um novo sorriso, uma nova esperança”
Cátia Sofia Fernandes Figueiredo Dias nasceu a 23 de maio de 1986 na freguesia de Palmeira de Faro. Tem 3 irmãos. O Dário, a Ângela e o Pedro. É filha de pais empresários, na indústria têxtil e atualmente reside na freguesia de Gemeses. Entrou para o Complexo de Esposende da APPACDM, em Marinhas, em Junho de 2008 como voluntária, celebrando posteriormente, em novembro, vínculo contratual. Esteve de passagem por Viana do Castelo, nos cuidados continuados com idosos. Chegou à direção técnica há 2 anos, ou seja, desde 2013 que é a responsável pela instituição no concelho de Esposende.
A minha entrevistada de hoje frequentou a escola primária em Palmeira de Faro, o segundo e terceiro ciclos na escola António Correia de Oliveira e o secundário na Escola Henrique Medina. A formação superior, licenciatura em Terapia Ocupacional, foi realizada na Escola Superior de Tecnologias da Saúde do Porto.
No seu percurso ainda teve tempo para a prática de atletismo, onde se foi saindo sempre muito bem, para o andebol e a canoagem. Gosta de lembrar a sua passagem, durante cerca de 4 anos pelo Grupo Folclórico de Palmeira de Faro.
No 10º ano já sabia o que queria ser. “Logo ai desejei ter uma profissão na qual pudesse ajudar quem não tem quem o ajude.”
VAMOS CONHECER UM POUCO MELHOR A ENTREVISTADA DESTA SEMANA
GOSTOS PESSOAIS
“Gosto de fotografia. Gosto de ouvir, sobretudo as vozes de quem amo; o som do mar; o som que nos entra pelas janelas do carro quando vamos em silêncio. Gosto de ouvir o silêncio. É claro que também adoro viajar, ir ao teatro, concertos…”
EM QUE OCUPA OS SEUS TEMPOS LIVRES?
“Tenho pouco tempo livre mas sempre que posso gosto de caminhar na areia, aproveitar o que a nossa costa litoral tem de melhor, de ir ao cinema…”
UM CLUBE?
“Nunca me interessei pelo futebol. Desde criança que digo que meu Clube é o Futebol Clube do Porto, por afinidade aos meus pais e irmãos que são adeptos do mesmo.
Atualmente, pelo facto de viver com um apaixonado pelo Benfica, acabo, muitas vezes, por assistir aos jogos e ir acompanhando o percurso e os resultados na tabela classificativa.”
QUAL O SEU INTERESSE PELA ESCRITA? GOSTA DE ESCREVER?
“Escrevo muito porque gosto de recordar. Tenho gavetas cheias dos meus escritos. Sempre escrevi o meu diário e faço questão de escrever. Chego mesmo a escrever os meus discursos e as minhas intervenções.”
E LER? O QUE GOSTA DE LER?
“Leio essencialmente leitura técnica. Adoro ler sobre Cura Reconectiva.”
QUAIS SÃO OS SEUS HOBBYS?
“Caminhar, passear, fotografar e viajar.”
VAMOS AGORA FALAR UM POUCO DA NOSSA TERRA. O QUE PENSA DA CIDADE E DO CONCELHO DE ESPOSENDE?
”O concelho de Esposende tem crescido muito em iniciativas. É de aplaudir as inúmeras atividades desportivas. Temos uma cidade linda e bastante acolhedora para a prática do exercício físico. Na educação destaco a atribuição de bolsas de estudo pelo Município e no apoio social, o excelente trabalho da Loja Social”.
O QUE LHE APETECE DIZER ACERCA DOS BÁRBAROS ATAQUES DA PASSADA 6ªFEIRA EM PARIS?
“Só consigo lamentar. É aterrorizante pensar no futuro da humanidade. Como é possível matar sem piedade? Como é possível que para alguns homens, assassinar e beber um café seja a mesma coisa?
Acho que estamos a pagar o preço por integrar minorias que são impossíveis de ser integradas numa sociedade ocidental. Porque não se trata dos sírios que vem agora a caminho mas dos muçulmanos que foram integrados há muitos anos atrás.”
A MAIOR NECESSIDADE DA INSTITUIÇÃO?
“A nossa mais premente necessidade, prende-se com as nossas instalações. Precisamos urgentemente de umas instalações condignas. Nós não pedimos dinheiro, pedimos que nos sejam cedidas umas instalações onde possamos trabalhar com qualidade e servir a comunidade dignamente. Como pôde ver estas instalações estão com mais de 25 anos, são de madeira e encontram-se em avançado estado de degradação. Há salas a meter água e o próprio refeitório teve que ser escorado para que o teto não ceda.”
UM OBJETIVO?
“Criar a valência de lar residencial, para poder garantir um futuro aos nossos jovens adultos que possa ser vivido próximo dos seus familiares e que garanta o constante bem-estar dos mesmos. É que há muitos deles que já começam a ficar sem base de apoio em casa, seja pelo envelhecimento dos pais, seja por falta de tempo ou condições.”
UM SONHO?
“SER MÃE.”
VAMOS AGORA CONHECER MELHOR O COMPLEXO DE ESPOSENDE
O Complexo de Esposende, sito na Rua do Paiva, em Marinhas, completou este ano os seus 25 anos de existência no nosso concelho.
Este Centro de Atividades Ocupacionais dá resposta a 30 jovens adultos [com mais de 18 anos de idade].
ATIVIDADE
Com espaços, parcerias e uma equipa multidisciplinar, coloca ao dispor dos seus utentes inúmeras atividades, das quais se destacam;
Estimulação Percetivo-Cognitiva;
Cinesioterapia;
Terapias de grupo [Expressão Dramática, Dança];
Treino de Atividades de vida Diária [alimentação vestir/despir, higiene];
Treino de actividades Instrumentais (Culinária, Jardinagem, Horticultura, entre outras);
Treino de Competências Socias em diferentes contextos, um deles na Comunidade;
Educação Física;
Áreas Ocupacionais [têxteis, papel e expressões];
Atividades desenvolvidas no Centro de Educação Ambiental, no Centro Interpretativo de São Lourenço, de entre outras atividades e parcerias.
UTENTES
Neste momento são 30. Temos a capacidade esgotada e ainda mais utentes em lista de espera. O mais novo tem 18 anos e o mais velho está com 46 anos. Neste momento temos 18 homens e 12 mulheres. Só funcionamos de dia, por isso falo na grande necessidade que é a criação de um lar residencial, para poder ter connosco também durante a noite grande parte dos nossos utentes.
Em termos de distribuição dos jovens com base no grau de deficiência intelectual e nas suas potencialidades/autonomia, temos em funcionamento 3 salas. Uma sala com 8 utentes com deficiência intelectual moderada a profunda, outra com 10 jovens adultos com deficiências moderadas, com 10 utentes e a terceira com 12 mais autónomos e cujo défice intelectual é ligeiro.
Temos uma cozinha, um refeitório e várias salas de atividades de inclusão social. Mensalmente as famílias dos utentes pagam uma comparticipação monetária que é calculada de acordo com as normativas da Segurança social.
QUADRO DE PESSOAL OPERACIONAL
Aqui trabalham 15 pessoas:
7 ajudantes de ação direta;
1 cozinheira;
2 auxiliares de limpeza;
1 Encarregada de Serviços Gerais;
1 Terapeuta Ocupacional que acumula funções de Diretor Técnico; e
A tempo parcial, contamos com o apoio técnico de Fisioterapia, Psicologia e Serviço Social.
DIA DE ANIVERSÁRIO É DIA DE FESTA
Sempre que um utente faz anos, tentamos promover-lhe um dia diferente e mostrar que a sua presença é parte importante deste grupo… desta família.
PARCERIAS E PROTOCOLOS
Participamos em inúmeras atividades promovidas por nós e promovidas pelos nossos parceiros: Junta de Freguesia da União de Freguesias de Esposende, Marinhas e Gandra; Cruz Vermelha de Marinhas, Câmara Municipal de Esposende, Centro de Educação Ambiental, Centro Interpretativo de São Lourenço, Centro Hípico do Norte, Esposende 2000, de entre outros.
Temos participado na Festa do Pão e outros eventos temáticos promovidos pelo Município. Organizamos caminhadas solidárias e agora iniciamos este projecto do Concerto Solidário.
VIATURAS
Só temos uma viatura própria que transporta os utentes autónomos. Os que apresentam mobilidade reduzida necessitam da colaboração da Cruz Vermelha de Marinhas, que para além de os transportar pontualmente para atividades de inclusão social (como por exemplo, o Desfile de Carnaval promovido anualmente pelo Município), fazem o transporte diário casa-complexo e complexo-casa.
VOLUNTARIADO
Tínhamos o professor Adriano Vareiro que mensalmente realiza atividades de educação física. Felizmente, desde o passado dia 11 de Novembro, este apoio passou a ser semanal e custeado pelo Município.
MÚSICA
Gostávamos de ter alguém que se disponibiliza-se a fazer voluntariado, vindo cá desenvolver atividades musicais com os nossos utentes. Fica o desafio.
 FACEBOOK E REDES SOCIAIS
Estamos no facebook há três anos e é por aqui que damos a conhecer a nossa instituição, as nossas atividades e a nossa dinâmica.
O CONCERTO SOLIDÁRIO «PELA IGUALDADE NA DIFERENÇA» REALIZADO NO AUDITÓRIO MUNICIPAL DE ESPOSENDE NO PASSADO DIA 7 FOI UM MOMENTO DE EXCELÊNCIA
Estive presente e gostei de tudo. Do concerto dado pela Orquestra de Sopros da Escola de Música de Antas que assim se associou, dos discursos e da forma de estar dos utentes.
Porque me parece importante, aproveito para deixar aqui o discurso da Diretora do Complexo de Esposende:
“Saúdo-vos e mostro o nosso reconhecimento pela vossa presença e participação em mais um evento solidário promovido pelo Complexo de Esposende da APPACDM de Braga. A APPACDM de Braga é uma Instituição Particular de Solidariedade Social, de utilidade pública e sem fins lucrativos. Composta por quatro Complexos em Braga (São Lázaro, Gualtar, Fraião e Lomar), um em Vila Verde, um em Vila Nova de Famalicão e o de Esposende.
Presta atualmente cerca de 300 atendimentos e para a realização da sua atividade dispõe de três tipos de Valências: as Escolas de Educação Especial, os Centros de Atividades Ocupacionais e os Lares Residenciais.
Entre os vários Complexos da APPACDM, o de Esposende, está situado na freguesia de Marinhas e com mais de 25 anos de existência, atualmente, oferece como resposta social, o Centro de Atividades Ocupacionais, dando resposta a 30 jovens adultos com Deficiência Intelectual, com idades superiores a 18 anos.
A sua missão passa pelo apoio nos domínios educacional, social e ocupacional de todos estes cidadãos, promovendo a sua autonomia e qualidade de vida, sempre em parceria com a família e a comunidade.
Cada jovem/adulto apresenta um Plano de Desenvolvimento Individual que inclui um vasto leque de atividades e que são definidas com base nos potenciais e necessidades de cada um e expectativas dos familiares. As atividades passam pela:
Promoção da autonomia pessoal (alimentação, higiene, vestir/despir e mobilidade);
Promoção da autonomia nas tarefas de casa, jardinagem, horticultura, entre outras;
De reabilitação física, cognitiva e emocional;
As ocupacionais, que são os ateliês de expressões, bordados, tecelagem, entre outras;
E as de Inclusão Social, que incluem entre outras a participação em iniciativas do município e a participação em programas organizados por instituições/entidades parceiras do concelho, como a hidroterapia, a equitação terapêutica, entre outras.
A potencializar estas atividades e a trabalhar com dedicação, este Complexo, conta com uma equipa multidisciplinar constituída pelo Diretor Técnico e Terapeuta Ocupacional, pelo Psicólogo, Assistente Social, Fisioterapeuta, Ajudantes de Ação Direta, Encarregada de Serviços Gerais, Auxiliares de limpeza e pela Cozinheira.
E independentemente dos desafios e dificuldades que vão surgindo no dia-a-dia, esta dedicação e este empenho são inabaláveis.
E de facto, as IPSSs nos tempos que correm estão atravessar inúmeras dificuldades, que não são e nem podem ser estranhas a ninguém. E a APPACDM de Esposende infelizmente não foge à regra.
Falamos de um Complexo que se encontra na sua lotação máxima e com inscrições em lista de espera.
Lista esta que, tende aumentar atendendo ao número de bebés, crianças e jovens com deficiência intelectual em idade escolar e que a partir dos 18 anos têm como única resposta, esta instituição. E este Complexo por princípios de eficácia operacional, deveria ter, por isso, instalações maiores e requalificadas.
Repito instalações maiores e requalificadas.
Atualmente, as nossas infraestruturas para além do seu estado de degradação, são deficitárias. O que condiciona a possibilidade de reavaliar o aumento da capacidade e consequente o aumento do número de acordos de cooperação com a Segurança Social.
Por outro lado, os pais e familiares dos jovens adultos que atendemos, na sua maioria, encontram-se numa situação de idade avançada e, em alguns casos, já com graves problemas de saúde. A perspetiva da sua ausência e o condicionamento da sua ação no acompanhamento, cuidado e bem-estar, causa dolorosos e carregados sentimentos de tristeza face ao futuro dos seus filhos. Demonstram uma grande inquietude com a falta de um Lar Residencial para acolher estes e outros cidadãos com DI. Já necessitamos, inclusive, de colocar nos nossos lares em Braga e em outros lares e alguns bem distantes de Esposende, jovens do concelho.
Conseguem imaginar este sentimento?
Para enfrentar estes desafios, e sendo neste momento a única solução que está ao nosso alcance, desenvolvemos várias iniciativas que nos ajudam a remediar – repito a remediar – as pequenas dificuldades que surgem no dia-a-dia, como por exemplo a reparação de avarias nos materiais e equipamentos, entre outras.
E por isso, hoje mais uma vez estamos aqui, a apelar a ajuda de todos vós, tentando sensibilizá-los na procura de soluções céleres e definitivas para o bem-estar destas pessoas especiais que não possuem outra alternativa, se não aguardar por instalações maiores, condignas e por um Lar Residencial.
Têm sido várias as personalidades solidárias que se têm associado à nossa causa.
Hoje é um exemplo desta solidariedade, temos aqui a Orquestra de Sopros da Escola de Música de Antas, que ao receber o apelo e o convite, a sua prontificação em ajudar foi imediata. De forma célere moveram os seus músicos e familiares e iniciaram uma correria para ajudar a APPACDM de Esposende.
Alguns sem conhecerem os nossos passos, uniram-se à nossa corrida e ficaram.
Realço a palavra corrida, pois já não temos mais tempo para apenas ir caminhando.
Hoje não vamos apenas assistir a um majestoso Concerto e contribuir para uma causa. Hoje, vamos mais uma vez provar, que todos os Cidadãos com Deficiência Intelectual, deste concelho, merecem toda a Dignidade, Felicidade e Qualidade de Vida, como os demais cidadãos.
Para eles e para todos vós uma enorme salva de palmas.”
Foi este o discurso, muito aplaudido, da Diretora Técnica de Esposende, Cátia Dias.
PRÓXIMAS ATIVIDADES
ALMOÇO DE NATAL NO DIA 9 DE DEZEMBRO: Destinado a toda a equipa e aos utentes.
FESTA DE NATAL NO DIA 16 DE DEZEMBRO, ÀS 14 HORAS: DESTINADA A TODA A COMUNIDADE.
CARATERIZAÇÃO DA “APPACDM” NACIONAL E DISTRITAL
Com origem na APPACDM de âmbito nacional, a APPACDM de Braga, Instituição Particular de Solidariedade Social, de utilidade pública, surgiu como resposta às dificuldades sentidas por um grupo de pais de crianças/jovens com Deficiência Intelectual, liderado pela determinação, persistência e vontade do Comendador Félix Augusto Ribeiro. Constituiu-se a 03 de Maio de 1974, como 12ª Delegação e tendo como madrinhas a psiquiatra Dra. Alice de Mello Tavares e a Enfermeira Odete Dumont.
APPACDM de Braga atualmente é presidida por Alberto da Silva Sousa e possui atualmente sete Complexos para atendimento direto aos 318 clientes/utilizadores, maioritariamente pessoas com deficiência intelectual, distribuídos por diferentes concelhos do Distrito de Braga: - Braga; Esposende; Vila Verde e Vila Nova de Famalicão. Neste último, estende a sua resposta à Comunidade em geral através da sua valência dirigida à infância. Decorridos sensivelmente 25 anos de existência, em 29 de Maio de 1999, e na sequência da dissolução da APPACDM nacional, autonomizou-se, obtendo registo próprio de pessoa coletiva em meados de 2000, adquirindo estatutos, património e administração independentes.
Ao longo do seu percurso, a APPACDM de Braga vem sendo dinamizada por pais e amigos das pessoas com deficiência intelectual, contando com um número de 533 associados, sempre com o propósito de procurar soluções para os desafios e dificuldades inerentes à Missão Institucional, assumindo como objetivos primordiais, de entre outros:
Promover a integração na sociedade, da pessoa com deficiência intelectual, no respeito pelos princípios da Normalização, Individualização e Qualidade de Vida e o equilíbrio das famílias da pessoa com deficiência intelectual. Sensibilizar e coresponsabilizar a sociedade e o Estado nas suas várias formas, no papel que lhes cabe na resolução dos problemas da pessoa com deficiência intelectual e respetiva família.
A APPACDM de Braga revê-se como uma Instituição com papel cativo na satisfação das necessidades e expectativas reais das Pessoas com Deficiência Intelectual, empenhando-se no desenvolvimento de ações e disponibilizando Serviços nos domínios educacional, social, ocupacional e residencial, direcionados para o apoio e promoção do desenvolvimento e Qualidade de Vida da pessoa com Deficiência Intelectual, em estreita relação com as suas famílias, Sistema Social e Sistema Educativo.
NOTA FINAL
Conheço a Cátia Dias há muito tempo, em especial os seus pais e irmãos, por isso foi um prazer reencontrá-la à frente de uma instituição tão importante como a que atualmente dirige. A conversa, muito agradável, permitiu-me conhecer um pouco melhor o Complexo de Esposende, nas Marinhas, da APPACDM. É pena ver que desenvolvem um trabalho tão nobre numas instalações já um pouco degradadas, uma vez que são de construção em madeira e já com 25 anos de existência. Estou convencido que o Município está atento e por isso contribuirá para uma solução mais definitiva e que responda melhor aos anseios da instituição e dos seus responsáveis e utentes. Esta solução pode passar pela instalação em algum dos edifícios inativos, tipo escolas ou outros. Haja vontade de todos e será encontrada uma solução. Assim espero.
Quero deixar aqui uma palavra de apoio e um especial agradecimento a toda a equipa, pelo excelente trabalho que diariamente desenvolvem, com utentes tão especiais.
Acabo de me tornar sócio desta magnífica instituição que é a APPACDM. Faça o mesmo, dê a sua ajuda, para tornar ainda maior uma instituição que tem uma forte componente social e desenvolve um trabalho único com pessoas que no nosso concelho não tem mais nenhuma resposta deste tipo. 24€ por ano não é valor que não se suporte e a esta associação pode permitir fazer algo mais.
Deixo aqui o NIB da APPACM ESPOSENDE para quem nesta época natalícia pretender ter um gesto solidário: 0036 0399 9910 500 0448 55
Bem haja, pelo magnifico trabalho que desenvolvem e que os Vossos objetivos se concretizem. Contem comigo.
Mário Fernandes
20-11-2015





quarta-feira, 18 de novembro de 2015

MAGUSTO



Magusto do Centro Social de Curvos. Esteve tudo excelente. Boas castanhas, assadas na fogueira, filhoses e outras iguarias. A "pequenada" vibrou com a brincadeira e os mais velhos assistiram em alegre e animado convívio.

Estive presente, tal como é habitual e juntei-me aos mais novos em animada festa.

MF


segunda-feira, 16 de novembro de 2015

À CONVERSA COM O POETA E ARTISTA ESPOSENDENSE JORGE BRAGA



JORGE BRAGA POETA E ARTISTA ESPOSENDENSE ACABA DE ARRECADAR A MEDALHA DE BRONZE NUMA EXPOSIÇÃO NO “CARROUCEL DU LOUVRE” EM PARIS
Jorge Ferreira Pires Braga nasceu no dia 23 de Junho de 1965. É natural de Vila-Chã, mas vive em Esposende, onde casou com Rosália Pereira. Tem dois filhos. O Ricardo [já aqui entrevistado há cerca de 4 meses, aquando da publicação do seu primeiro livro de poesia].
Fez a escola básica em Vila-Chã, o ciclo em Esposende e o secundário na Escola Henrique Medina e a formação universitária na Universidade Lusíada em Famalicão.
Pelo meio ainda cumpriu o serviço militar. Já se dedicou à indústria de transformação de granito e atualmente é formador e técnico oficial de contas, com gabinete de apoio e consultoria às empresas.
Escritor, poeta e escultor, são algumas das formas como publicamente é reconhecido, o que lhe tem granjeado a simpatia dos esposendenses e a atenção de galerias e ateliers de arte. Expôs em Vila Nova de Gaia, numa das bienais mais importantes do país e aí ganhou um convite para expor no “Louvre” em Paris, onde, segundo afirma, para sua grande surpresa acabou premiado.
Esta entrevista está estruturada por temas, para responder a várias questões: O homem, as suas raízes e os seus gostos, o seu percurso escolar, o poeta, o artista e a sua obra.
GOSTOS PESSOAIS
“Gosto de conviver com pessoas, de viajar e conhecer pessoas e locais. Gosto muito de aprender coisas novas e estudá-las. Tenho um gosto especial por paisagens urbanas.”
EM QUE OCUPAS OS TEMPOS LIVRES?
“O pouco que tenho dedico-o a estar presente em eventos de amigos e a apoiá-los. A organizar eventos que promovam e divulguem a arte, nomeadamente a poesia; estar com a família, a jogar futebol com os amigos e a visitar e estar com a minha mãe em Vila Chã. Também gosto muito de fazer trabalhos manuais tais como livros manuscritos, moldes em gesso etc.”
QUANDO COMEÇAS-TE A ESCREVER?
“ Comecei a escrever muito novo, lembro-me das primeiras quadras quando tinha cerca de 10 ou 11 anos. Normalmente eram dedicadas a elementos da natureza tais como a chuva, os pássaros, as flores e os rios. ”
QUAL FOI O TEU PRIMEIRO LIVRO?
“O meu primeiro livro foi o Elos. Teve o apadrinhamento de um amigo e conterrâneo, o Dr. Manuel Albino Penteado Neiva, que foi o maior impulsionador na publicação dos meus escritos. Publiquei pela primeira vez em 1991.”
QUAL O GÉNERO DE ESCRITA QUE MAIS TE CATIVA?
“O meu género de escrita preferido é a poesia. Embora escreva e já tenha publicado crónica literária. Tanto num estilo como no outro, cultivo o texto curto e a mensagem forte, e é neste registo que me quero manter”
O QUE GOSTAS DE LER?
“Leio muita poesia, naturalmente, mas também gosto muito de ler literatura infantil e infanto-juvenil. Normalmente não leio livros com muitas páginas. Talvez isso tenha a ver com a minha personalidade e a minha forma de estar na vida.”
QUAIS SÃO OS TEUS HOBBYS?
”Os meus hobbys são desenvolvidos nos meus tempos livres e como tal serão as atividades já referidas, como fazer trabalhos manuais, criar pequenos objetos etc.”
QUANTOS LIVROS JÁ PUBLICASTE? QUAIS?
“Já publiquei seis livros. Cinco de poesia e um de crónicas. De poesia são o Elos; Paradoxia; Galarim; Plectro Inato e Amenas Tempestades. De crónicas publiquei o Excitações da Razão.”
QUAL FOI O LIVRO QUE MAIS PRAZER TE DEU ESCREVER?
”Foi o primeiro. Talvez me tenha dado mais prazer pelo facto de ninguém saber que eu escrevia e naquela altura publicar era muito difícil e muito caro. Também nos primeiros textos ainda não tinha as temáticas “esgotadas” e tudo era tema novo para mim. ”
E O QUE OBTEVE MAIOR SUCESSO?
“É difícil de medir o sucesso de um livro. Se o parâmetro for as vendas, foi o de crónicas Excitações da Razão; mas se mudarmos o parâmetro e avaliarmos o feedback dos leitores e a quantidade de utilização dos textos em eventos e noutros contextos, foi sem dúvida o último, o Amenas Tempestades. ”
JÁ RECEBESTE INUMEROS PRÉMIOS E CONDECORAÇÕES. QUAIS FORAM OS MAIS IMPORTANTES?
“Todos foram importantes. Os melhores prémios que recebi foram o carinho e a presença da família e amigos sempre que eu precisei. Quanto ao reconhecimento público, começou na escola enquanto estudante em que concorri aos jogos florais com três poemas e arrecadei o primeiro, segundo e terceiro prémio. Esse foi o momento impulsionador para publicar; a partir daí foi fazer percurso. Há momentos que eu considero como “dádiva” e não prémio. Por exemplo o facto de ter sido selecionado para expor na I Bienal de Gaia, ao lado de grandes vultos das artes plásticas, foi fantástico. Depois ser convidado para expor no Carroussel du Louvre em Paris foi outro acontecimento muito bom; e aí ganhar a medalha de bronze na categoria de escultura foi maravilhoso. É muito bom saber que as pessoas gostam dos trabalhos que fazemos, independentemente dos prémios que ganhamos. ”
SE TIVESSES QUE DIZER O QUE É PARA TI UM LIVRO, O QUE É QUE DIRIAS?
”Pergunta difícil. Para mim um livro é aquilo que ele é capaz de produzir em mim, tanto ao nível do conhecimento, como das sensações.”
E TU COMO É QUE TE DEFINES A TI PRÓPRIO? ESCCRITOR, POETA OU ESCULTOR?
”Um cidadão do mundo. Tudo isso e mais aquilo que me possa tornar útil na comunidade, numa visão mais restrita, e na sociedade numa visão mais abrangente.”
ESPOSENDE TEM ASSISTIDO A UMA GRANDE ATIVIDADE LITERÁRIA. NÃO FALTAM AUTORES A PUBLICAR E TEM HAVIDO APRESENTAÇÃO DE LIVROS COM GRANDE REGULARIDADE. A QUE ACHAS QUE SE DEVE ISSO?
”Deve-se a vários fatores. Uns de ordem social, outros de ordem política e outros de ordem tecnológica.
A nível social, é já bem aceite a exposição pública de opiniões, de emoções e pensamentos.
A nível político, o concelho tem vindo a apostar mais neste tipo de cultura. E muitas vezes esse investimento passa por pequenos/grandes “gestos”, tais como facilitar o uso dos espaços e equipamentos públicos para os eventos e para as apresentações, e/ou a presença das entidades nas cerimónias.
A nível tecnológico, é indiscutível que hoje é muito mais fácil e mais barato publicar do que há vinte e cinco anos. O livro pode ser todo preparado pelo autor no seu computador pessoal e enviado para a editora ou tipografia que o terá pronto para apresentação ao fim de meia dúzia de dias.
Todos esses fatores aliados à entreajuda entre os autores facilitam a publicação. ”
ACHAS QUE O APOIO DO MUNICIPIO DE ESPOSENDE À CULTURA TEM SIDO SUFICIENTE?
”É o que é. Nunca será suficiente, mas já foi muito menor. Depende do tipo de cultura que falamos ou do tipo de apoio.
Prefiro pensar que o apoio nunca irá chegar, porque as necessidades vão aumentando, os criadores e produtores de cultura vão trabalhando cada vez mais; mas que o apoio vá sendo cada vez maior a todos os níveis.”
E O APOIO AOS JOVENS AUTORES?
”O apoio aos jovens autores deve ser muito bem pensado. Estamos a falar de autores de tenra idade, em que a sua formação como pessoa e ser humano está a ser construída a par do desenvolvimento dos seus talentos e da sua formação artística. A sua dependência de apoio é muito maior do que num adulto. No meu ponto de vista, não se deve criar no jovem autor a sensação de dependência, mas de conquista.
Muitas vezes estar presente, criar um gabinete de apoio aos jovens criadores, aconselha-los ajudando-os a tratarem dos seus trabalhos e das suas publicações é o melhor apoio. ”
HÁ MUITO QUE VENHO A SUGERIR A CRIAÇÃO DE UM “PRÉMIO LITERÁRIO MUNICIPAL”. JÁ FOI PROMETIDO MAS PARECE TARDAR EM SER APLICADO. ACHAS QUE É IMPORTANTE CRIAR ESTA DISTINÇÃO PARA AUTTORES CONCELHIOS?
”Tudo o que motivar é importante. De certeza que há autores que se sentirão motivados para produzir sendo premiados. Mas há muitos que podem avaliar mal os seus trabalhos, ou serem mal avaliados e ao não serem contemplados com um prémio ficam desmotivados e deixam de produzir. Muitas vezes perdem-se assim grandes talentos.
Os prémios são sempre muito bons quando se ganha. Eu iria mais para a publicação de uma antologia em que se pudesse abranger um universo maior de autores. Até porque é uma forma de publicar quem muitas vezes não tem possibilidade de o fazer. Nem financeira, nem editoriamentel.”
COM A POVALÊNCIA QUE TE É RECONHECIDA, TANTO NO MUNDO DAS LETRAS COMO DAS ARTES, COMO TE SENTISTE NA APRESENTAÇÃO DO 1º LIVRO DE POESIA DO TEU FILHO RICARDO?
”Primeiro como pai, e depois como autor, é naturalmente um orgulho.
 O Ricardo é muito talentoso e revelou-se muito cedo. Fez o percurso dele, afirmando-se, no meio escolar destacando-se com os seus trabalhos, sem qualquer “colagem” ao pai.
Eu já tinha passado pelo processo de publicação, e naturalmente, mostrei os seus trabalhos ao editor, que depois de os ler, e ao saber a idade do Ricardo (15 anos), disse logo que o queria publicar. Espero que haja continuidade, mas o caminho é ele que tem de o percorrer. ”
ACHAS QUE TENS SIDO INSPIRADOR E QUE O RICARDO É TEU FÂ?
”Ele diz que sim. Ainda bem. Mas ninguém deve beber só de uma fonte, e o Ricardo tem outras fontes que na minha opinião são de bom gosto. Claro que uma das coisas que o influência, assim como a mim, é frequentar tertúlias e eventos, ter livros de bons autores à disposição para ler. Mas a desculpa de não ter não serve, porque temos muito boas bibliotecas no concelho, onde podemos recorrer. Às vezes falta o bom aconselhamento e muitas vezes esse aconselhamento não é dado porque não é solicitado. ”
COMO VÊS O APARECIMENTO DE NOVOS VALORES NO NOSSO CONCELHO? ESTOU A LEMBRAR-ME DA SUSANA INÊS, DO ILDA DANIELA E DE VÁRIOS OUTROS.
”É ótimo. Sou amigo de ambas e incentivei a Susana Inês na publicação do seu primeiro livro. Foi ela que teve a humildade de me pedir ajuda e que lhe fizesse o prefácio. Ajudei com todo o gosto. Também eu ainda hoje peço ajuda a pessoas mais experientes; refiro-me por exemplo área da escultura.
É sempre bom que apareçam novos valores. Depois é como a semente que se lança à terra, nem toda dá fruto. ”
BEM, VAMOS AGORA FALAR UM POUCO DA NOSSA TERRA. O QUE PENSAS DA CIDADE E DO CONCELHO DE ESPOSENDE?
”É a melhor terra que conheço para morar. Por isso é que sempre vivi aqui. É muito bom viajar e depois regressar a Esposende. Como eu escrevi no verão passado e se fez uma faixa “Esposende é lindo de viver”.
E DO ATUAL MOMENTO POLITICO EM PORTUGAL?
”Esta é a pergunta mais difícil. Politica não é mesmo a minha praia. As pessoas vão ter o bom senso de olhar pelo nosso país, e o povo sabe muito bem diferenciar o que é bom do que é mau. Cada um pensa que está a fazer o melhor que sabe; muitas vezes não sabem mais...“
E O TRABALHO DO MINISTÉRIO DA CULTURA?
“O ministério da cultura ainda é recém-nascido, mas toda a anterior política da cultura, nunca se conseguiu descolar do ministério das finanças, e quando assim é, não se pode fazer muito. Mesmo assim, a cultura está cada vez mais acessível para quem a procurar. Há muito boas coisas de “borla”, as pessoas também não as procuram.”
E DESTA VAGA DE REFUGIADOS?
“É um drama global, mas tenho a certeza que é muito mais complexo do que parece à primeira vista. Drama ou estratégia? As pessoas que estão nos cargos competentes devem tentar resolver da melhor forma e sem prejudicar os residentes, criando-lhe o sentimento de injustiça.”
UM SONHO?
“Voar. OK!  Pode ser em sonho! E que o mundo seja mais justo. Ups...já são dois! ”
COM UM PERCURSO LITTERÁRIO SÓLIDO E RECHEADO DE PRÉMIOS E CONDECORAÇÕES, ONDE ESPERAS CHEGAR?
“Onde a imaginação me levar. Sinceramente, gostaria de ter liberdade e despreocupação para poder criar. Ideias não faltam, mas a prioridade de garantir o sustento e a segurança da família, é um fator limitador.”
O QUE É QUE SENTES QUE AINDA TE FALTA FAZER?
“Quase tudo. Escrever mais livros, plantar mais árvores, e... filhos já chega; a vida não está fácil.
Quero evoluir, sustentadamente em cada área que estou. Tanto na literatura como na escultura. Trabalhando…!”
A TERMINAR QUERIA QUE DEIXASSES AQUI AQUILO QUE SENTIS-TE HÁ DIAS EM PARIS QUANDO OUVISTO CHAMAR O TEU NOME PARA RECEBERES A MEDALHA DE BRONZE NUMA MOSTRA TÃO IMPORTANTE E NUM DOS MAIS CONSAGRADOS MUSEUS DO MUNDO?
“Eu não sabia que estava a ser avaliado e sinceramente, pensei que seria uma medalha de presença. Estava muita gente, mas como pararam de entregar e o galerista que me representou veio dar-me os parabéns e mais pessoas cumprimentavam-me e davam os parabéns é que eu comecei a ter noção da importância do que me tinha acontecido. Depois foi um crescer de emoções à medida que ia tomando consciência da importância que aquela medalha tinha. Foi ótimo não só pela distinção, mas por ser no evento que foi. Comigo carreguei uma obra, uma terra (Esposende) e um país. ”
NOTA FINAL
Conheço o meu caro e bom amigo, Jorge Braga, desde longa data, porque ambos nascemos em Vila-Chã e aí brincamos, estudamos e crescemos. No ano de 2007, portanto há 8 anos, no âmbito das comemorações do Dia Mundial da Árvore e da Poesia, convidei o Jorge a fazer uma exposição na Freguesia de Curvos. Intitulou-se EXPOÉTICA, realizou-se no dia 21 de março de 2007 e terá sido a primeira de muitas outras a que o Jorge entretanto foi dando sequência e que ainda hoje vai mantendo. São uns eventos interessantíssimos que contemplam a apresentação de um filme. O primeiro intitulado "à conquista do Mundo - verso in verso", projeto que visa a valorização do homem enquanto ser interativo com o próprio homem e outros poderes e valores. Depois de ler cada poema o leitor é desafiado a recriá-lo através da ilustração que lhe está associada e a alargar os horizontes da sua imaginação, criando o seu próprio imaginário. Estes eventos, compostos por exposições e poesia, ultimamente tem sido realizados na Casa da Juventude em Esposende, onde sempre tenho feito questão de estar presente. Também tenho acompanhado algumas sessões de Fado e Poesia que o meu amigo Jorge tem levado a várias localidades e que tem sido um sucesso.
Estamos portante diante de um homem que se tem destacado em várias áreas, desde a poesia à escultura e às artes na sua globalidade.
Foi um prazer, tal como sempre, conversar com este amigo e poder trazer aqui os seus mais recentes feitos. Um abraço, bem forte e o desejo de que continues a alcançar os maiores sucessos.
Mário Fernandes
13-11-2015






MF